LETÍCIA EM VERSOS.

 

 

Em 2014 foi publicado o livro em versos titulado "ESTÂNCIAS".

 www.clubedeautores.com.br/book/149544--E_S_T_A_N_C_I_A_S

 

 

 

TEMÁTICA: O HOMEM.

O poema

A face

Lágrima

Olhos se abram

Cabeça oca

Tristeza

Mata

Ilha

Ciúmes

Ganância

Homem urbano

Politicalha

O ator

Fim

 

 

TEMÁTICA: PRESERVAÇÃO DA VIDA

Se eu fosse

Alguns homens assim

Vida verde

O casal de canarinho

Cidade

Ciclo mórbido

Fumo

Mundos em um

 

 

TEMÁTICA: DEUS

Beleza

 

 

TEMÁTICA: LETÍCIA LUCCHEZE.

Eu queria ser um pássaro

Se

Ledice

Repressão

Dor

Forte vento

 

 

       

TEMÁTICA DECLARAÇÃO AMOROSA:

Amar

O meu jardim

Enlouquecida de amores

A cada tempo

Exclusivo pra você

Amor

Lindo Mar

Sua presença

Sempre eu queria ter

Você

Ser alguém capaz de amar você

Faltou-me ar

roma uem od oxelfeR

Lua

Entorpecente líquido    

Em ti    

Penso em você mais que deveria   

 

 

TEMÁTICA AMOR NÃO CORRESPONDIDO:

A morte

Tudo por causa de um olhar

Coração de passarinho

E a vida

Farsa

E agora e o meu coração?

Mais um amor eu perdi

Sonhar não poderei

Corpos e pensamentos

Rejeição

 

 

TEMÁTICA EROTISMO:

Ausência

Geometria versus Geografia

Afrodisiacados

Tulipa vermelha

Desejos

Uma escritora erótica, aos afagos de um poeta

Sentir e amar

Eu e você

 

 

FRAGMENTOS POÉTICOS

 

FALAS FINAIS DE LETÍCIA LUCCHEZE.

Muitas meninas na passagem da infância para a adolescência, tinham um caderninho de versos e eu não fui à exceção. Escrevi os primeiros versos na adolescência e o primeiro deles foi “Eu queria ser um pássaro”.
            No início dava os poemas escritos para minha mãe ler. E foi por conta desse comportamento, que em um momento minha mãe veio até a mim com um pedaço de papel e disse que nele continha um poema que ela havia escrito “Amor Materno”. O guardei-o até hoje, creio que meu pai e minhas irmãs não sabiam da existência dele até a leitura desde livro.
            Na juventude retomei a escrita dos versos voltados para o sentimento do amor calmo, ou tempestuoso. Cada verso, cada estância, cada poema foi escrito exclusivamente para uma pessoa; mesmo que no final dos versos, eu não identifique para quem ele fora escrito. Isto porque, apesar de ter escrito algo para este alguém, ele não merecia cada linha de um poema meu. Mais no geral agradeço a todos do sexo masculino que me deram matéria prima para a minha escrita poética.
            Já na fase adulta voltei os versos para o ser humano e a preservação do meio ambiente.
            Este é o meu primeiro e último livro de versos. Não pretendo escrever mais poesias e nem publicá-las, tendo visto que tenho outras áreas do conhecimento para zelar também. 

ALGUMAS CURIOSIDADES:
            A FACE – este poema é a descrição literal e psicológica de um homem que conheci; o qual perdi seu nome nas linhas dos meus pensamentos.
            CABEÇA OCA – estava numa aula de literatura e tinha que escrever um texto.
            TRISTEZA – era adolescente, entrei em um ônibus saindo da escola pra casa e lá dentro sentada vi uma mulher chorando e pensei: que dor é está que é tão grande que a faz chorar. Cheguei em casa e escrevi o poema.
            GANANCIA – o namorado precisava escrever um texto sobre o ocorrido no 11 de setembro.
            O ATOR – escrevi porque quem me rodeava tinha um poema sobre ator, menos eu. O cômico é que nessa época nem sonhava em trabalha na área do Teatro.
            SE EU FOSSE – deveria ter sido um texto em prosa em exercício para o vestibular.
            VIDA VERDE – a ideia era escrever um texto cheio de pronomes para o uso em sala de aula.
            BELEZA – estava numa aula de literatura e a exposição era sobre figuras de linguagem. Após as explicações deveríamos escrever um texto. Escrevi este baseando na figura de construção polissíndeto e acreditam que a professora falou que estava ruim; pois eu repetia muito a palavra beleza.
            EU QUERIA SER UM PÁSSARO – escrevi devido às mágoas em relação às agressões verbais vinda de minhas irmãs entre outros que insistiam em ficar no meu convívio. É difícil ser gorda e muito menos ser aceita como tal na sociedade vigente. Lembro que minha irmã mais velha, me disse que ela poderia me xingar, mas os outros não. Aí perguntei se ela não tinha sentimentos. Em toda a minha vida, eu nunca xinguei ninguém, porque sei que magoa, que dói, seja qual for a agressão verbal.
            DOR – nunca gostei de sentir dor, mesmo sendo mulher. Acredito que devido às dores no ouvido na infância entre outras. Detesto dor seja ela qual for, fraquinha, tolerável, ou fatal. Meu temor é morrer sentindo muito dor.
            MORTE – publiquei o poema no jornal e mandei entregar com um buquê de rosas na casa do namorado.
            AFRODISIACADO – estava no supermercado listando alimentos e objetos afrodisiacados para a aula de sexologia.

 

Letícia Luccheze.