Mais um amor eu perdi

 

Perdido, encontrado
entre os lençóis amassados.

De folhas, de aço,

de barro, de puro prazer.

Tão belo, tão justo,

romântico,

tão meigo e sincero.

Seria considerado,

aos leigos, um sonho eterno.
 

Mais de terno
eram apenas os beijos

nos Dias de Rosa.
 

Em volúpia,
no gosto de sua pele morena

gotículas de amor bebi,

colhi, fartei-me e me perdi.
 

O beijo na boca
guardo até hoje no coração.

Incandescentes sentimentos!
 

Conversas com interjeições
no relento fiquei.

O pranto se fez de ouvinte

e a dor escorria

ao peito partido.
 

A fenda da noite comanda a paixão
o rasgo o relento,

sem peso, sem lenço,

o sal trouxe a boca

a euforia de um olhar.

Pudera ser mentira!

Pudera é verdade!

Então aos versos vou chorar,

em lágrimas berrantes, mudas.
 

Perdido, encontrado
entre os lençóis amassados.

De folhas, de aço,

de barro, de puro prazer.

Tão belo, tão justo,

romântico,

tão meigo e sincero.

Seria considerado,

aos leigos, um sonho eterno.

 

Letícia Luccheze.

 

 

 

                                                                                           Poema escrito para Ronaldo Dias Rosa.