Letícia Luccheze.
                                                                  

                          

 

                Antes de 1895 - Rita casa com Zeca Martins (tataravós materno de Letícia) e em meio aos filhos, nasce Sebastiana Martins de Souza.  
                                                                                                                                                                                 
                                                                           
                                                                           Tataravôs Rita e Zeca Martins.

 

 

 

                1899 - Sebastiana Martins de Souza casa com Honorato José de Andrade (bisavôs materno de Letícia) e em meio aos filhos, nasce Placidina Maria Oliveira.
                                                                                                                                                                                    
                                                                                 
                                                                         Bisavó Sebastiana Martins de Souza.

 

 

 

                1915 - Placidina Maria Oliveira casa com Joaquim Antônio de Oliveira (avôs materno de Letícia) e em meio aos filhos, nasce Maria Auxiliadora de Oliveira (mãe de Letícia).

                                                                                                                                                                   
                                                                        
                                                        Avôs Placidina Maria Oliveira e Joaquim Antônio de Oliveira.

 

 

 

                1945 - Em 22 de maio, em Conceição do Mato Bento, Minas Gerais, na terra Pau Mital, nasce via parteira, Hélio Luccheze Costa (pai de Letícia); filho de Jandira Luccheze de Miranda e Bento Mariano Costa.

 

 

 

                1947 - Em 24 de março, em Alto Araguaia, Mato Grosso, nasce Maria Auxiliadora de Oliveira (mãe de Letícia) filha de Placidina Maria Oliveira e Joaquim Antônio de Oliveira.

 

 

 

                1952 - Em 24 de julho em Araguari, Minas Gerais, nasce via parteira, Helena Maria Francisco (madrasta de Letícia), filha de Sebastiana de Souza Francisco e Benedito Francisco.

 

 

 

        1961 - Hélio Luccheze vai para Goiânia trabalhar, na vidraçaria Construtora (hoje extinta).

 

 

 

                1968 - Maria Auxiliadora que morava em Belo Horizonte com o irmão Antônio Luis, vem a Goiânia a passeio. E em meio a seus passeios, vai até a vidraçaria Construtora, onde trabalhava a sobrinha Elvira, filha de sua irmã mais velha Alzira. Lá, Maria Auxiliadora, conhece Hélio Luccheze e o convida para ir a uma festa Junina, no mesmo dia. Convite feito, convite aceito (em relacionamentos, Letícia é direta como a mãe). Na mesma noite inicia o namoro entre Hélio e Maria Auxiliadora.

 

 

 

                1970 - Maria Auxiliadora de Oliveira, casa com Hélio Luccheze Costa, na Catedral da Boa Viagem, em Belo Horizonte.

      
          Hélio Luccheze Costa casa-se com Maria Auxiliadora de Oliveira.

 

 

 

                1971 - Em 17 de fevereiro, em Goiânia, nasce Heliana Luccheze. Os irmãos de Hélio, Geni e Joaquim, moravam juntos com ele a esposa Maria Auxiliadora e a filha Heliana. Os irmãos mentirosos e intriguentos criaram e sustentaram por nove meses uma mentira com a intenção de separar o casal. A mentira era que a segunda filha que Maria Auxiliadora esperava (Letícia) era de seu médico e amigo de trabalho (Maria  Auxiliadora era enfermeira, saio do emprego por determinação machista de Hélio, ao se casar com ele). Hélio acreditou fielmente nos irmãos, o que causou uma gestação triste e perturbadora para Auxiliadora, que deu a luz a Letícia, sem a presença do marido. Foi preciso que amigos interviessem e que Letícia nascesse a cara do pai, para que ele percebesse a gravidade da mentira dos irmãos, que foram em seguida expulsos de sua casa. Mais muito antes da expulsão, Maria Auxiliadora que ainda nem estava grávida de Letícia, havia dado uma surra em Joaquim, por ter desrespeitado sua filha mais velha (Heliana), que na época tinha apenas um ano e por ironia, era sua afilhada.



Maria auxiliadora com Heliana Luccheze.

 

 

 

                1972 - Goiânia, 14 de agosto, às 16:00 horas, no hospital Santa Rosa, nasce Letícia Luccheze de Oliveira. Nasceu com as perninhas com forma de parêntese ( ), com alergia a ovo e com suspeita de sopro no coração. Descendente de turco, cigano, índio e italiano, já trazia no sangue agilidade, misticismo, força e sedução. Filha de Hélio Luccheze Costa (vidraceiro e Artista Plástico)  e Maria Auxiliadora de Oliveira Luccheze (enfermeira), tem como irmãs Heliana Luccheze de Oliveira (artista Plástica) e Gabriela Luccheze de Oliveira (artista Plástica e doutora em Matemática).
                Hélio sugeriu que a mais velha se chama Feverina, porque nasceu em fevereiro, mas acabou recebendo o nome de uma marca de moldura de quadro da época (Heliana). A mais nova, se chamaria Setembrina, porque nasceu em setembro, mas escapou dessa, recebendo o nome de uma irmã de seu pai (Gabriela). E por fim Agostina, seria o nome de Letícia, por ter nascido em agosto, mas devido a uma intervenção de sua mãe, Letícia recebeu o nome de uma música da época, "Sílvia Letícia". Letícia quer dizer alegria,  ledice e é o nome de um planeta telescópico. A pronúncia do sobrenome da família é "luquezi".
                Os anos se passam e se alegraram com a ausência da suspeita do sopro no coração de Letícia.
                                                                                                                                                       
 
                                                                                                  
                                                                                         
1972, em sua casa atual, a casa de sua mãe,
                                                      hoje é a sala Gabriela Luccheze - Relaxamento e Meditação.  

 

 

 

                1973 - Com sapatos adequados e aulas de balé, dadas por sua mãe, as pernas que haviam nascido com forma de parênteses, se corrigem totalmente e a alergia a ovo também perece. Essas aulas de balé, fará com que, no futuro, Letícia tenha uma atração por música e dança.
                Helena Maria Francisco (futura madrasta de Letícia) casa com Valdeci Moreira da Costa e vem morar em Goiânia. Ela tem três filhos: Michele Moreira da Costa (hoje casada e com dois filhos), Tatiane Moreira da Costa (hoje médica na área de cirurgia pediátrica) e Jean Pierre Moreira  da Costa (esfaqueado e degolado na própria casa, pelo primo em 2007).

                           
    Tomando banho na área da atual casa e em 1973 aniversário de um ano.

 

 

 

                1974 - Em 6 de setembro, nasce Gabriela Luccheze, irmã mais nova de Letícia.


         E os meses passaram...sua irmã mais velha ao fundo.         

 

 

 

                1975 - Em 17 de março, Hélio abre a vidraçaria Comercial de Vidros Limitada na rua 3 no Centro de Goiânia.

                                                                                   
                                                             1975,
Heliana e Letícia              1976, Heliana, Gabriela e Letícia
                                                             aos 3 anos na casa atual.
          com 4 anos em sua casa atual, a
                                                                                                                 casa de sua mãe. Hoje é a entrada da recepção
                                                                                                                 do Instituto Hélio e Maria Auxiliadora.

 

 

                                                                                                                     
1977, no parque Mutirama. Heliana, Gabriela e Letícia com 5 anos.  
Três LINDAS meninas. Letícia era gorda? Não. Mas ela já se sentia gorda.
Como? Pessoas deviam falar isso pra ela.

 

 

 

                1978 - Faz desde o Jardim II, à terceira série, na escola particular O Elefantinho, mudando de nome para Galáxia (hoje extinta). No Jardim II, tinha o seu primeiro amor platônico, por um colega de sala, chamado Angel. Ele era tímido e reservado, o que lhe chamava a atenção. Mas na fase adulta, Letícia dispensa os tímidos, por não terem iniciativa na vida.
                A professora constantemente dava imagens de foguetes para serem pintados, recortados etc., o que no futuro, provocou o gosto por filmes de ficção científica. Aos seis anos, já observava e refletia sobre o comportamento dos homens em seu meio. Era tímida, reservada e envergonhada, sentando-se sempre no fundo da sala, permanecia em silêncio. Hoje é apenas envergonhada, dependendo da situação, mas ainda senta no fundão e só conversa quando lhe dirigem a palavra.

                                                                              
                                                                        Maria Auxiliadora, Hélio, Gabriela, Letícia
                                                                 e Heliana. Aniversário de seu avó materno Joaquim,
                                                                  comemorado junto com os familiares em sua casa.

 

 

                                                                                       
                                                        
1978, aos 6 anos em Caldas Novas.            1979, na alfabetização, 7 anos.
                                                                        
E já sentia enormemente gorda. Isso
                                                            porque alguém falava pra ela,
                                                                    que estava gorda.

 

 

 

                1980 - Na primeira série primária, foi realizado em sala uma redação em grupo. A redação do grupo que Letícia participava foi parar no mural. Sua mãe viu e o elogio varou casa adentro. Tinha 9 anos, quando percebeu a gratificação dos elogios de um texto escrito. Os elogios de sua mãe, serviram de empurrão para a escrita e se mantém vivos até hoje.

                                                                                        
                                                                                        1980, festa junina na escola, 8 anos.
                                                                                           Vestido costurado por sua mãe.
                                                                                         Uma criança que já se sentia gorda.
                                                                                                         Será por quê?

 

 


           
1982
-
É reprova na terceira série, devido a ausência de organização pedagógica. E nesse ano, decidi ser professora por gostar de criança e também porque não iria discriminar nenhum aluno. Pois era discriminada por professores e colegas, devido ter necessidade de mais de uma explicação e por ser gordinha.
                Na festa Junina deste ano, dança com dois meninos de salas diferentes. 

                Com fortes dores de ouvido, realiza
uma intervenção cirúrgica em ambos, colocando carretel.

                Em Goiânia, no dia 24 de outubro, nasce na maternidade dona Iris, Rafhael Leandro da Silva (futuro marido de Letícia), filho de Irene Leandro da Silva.

                                                            
                                                             
1982, festa Junina  na escola                     1983 na cidade de Iriri.     
                                                             Elefantinho (hoje extinta).
                                                             Vestido e sapatos feitos por sua mãe.

 

 

 

                1984 - Vai para a escola particular O Vocacional (hoje extinta). Lá cursa da quarta a quinta série e tem como colega de sala Rafael, outro amor platônico. Em um momento ele havia lhe defendido, de outros colegas que havia lhe agredido verbalmente.

                                                                            
                                                                                        1984, Letícia e Lilian Brasil.

 

 

 

                1985 - Vai para o colégio Estadual Licey de Goiânia, onde estuda Inglês, Francês, Educação para o Lar e Etiqueta. Hoje, a sala de aula em que estudou, se transformou numa área de refeitório.
                E
m agosto, Helena Maria Francisco da Costa (futura madrasta de Letícia, formada em Farmácia e Matemática) vai trabalhar no noturno, da escola municipal Presidente Vargas, onde conhece Leyla Miranda, prima de Hélio Luccheze. Em 1993, Letícia vai para essa mesma escola, como professora regente no matutino. Engraçado né, ela dá aula, na mesma escola que sua futura madrasta.

 

 

 

                1986 - Descobre Cyndi Lauper, o que a torna uma admiradora do seu trabalho e de sua forma irreverente. Morre seu avô materno Joaquim Antônio de Oliveira.

 

 

 

                1987 - Fechando  a vidraçaria Comercial de Vidros Limitada, na rua 3 no Centro, Hélio Luccheze abre no mesmo mês de abril, a vidraçaria América, situada no Jardim América. Hoje extinta; pois aposentado, a vendeu para o seu funcionário Antônio; que deu o nome a vidraçaria de América Molduras.
                V
ai para o colégio Estadual Hugo de Carvalho Ramos (hoje, titulado como Colégio Militar Hugo de Carvalho Ramos) e cursa da sexta a oitava série. Tem como amigas de sala Joselma e as irmãs Sônia e Cristiane Martins (são amigas até hoje). Escreve um jornalzinho chamado Plim, Plim, como trabalho de sala da professora de português Maria Helena (esta por sua vez, será sua diretora em 1994, na escola municipal Marechal Ribas Júnior e Letícia estará no quadro de funcionário, como professora regente).  
                Neste mesmo ano, passa a ter enxaqueca, devido ao consumo de leite e seus derivados (chocolate, queijo, iogurte etc.) o que desencadeia perda de visão de um dos olhos, dormência no rosto e mãos e perda de momentânea de memória, mas depois de trinta minutos, volta tudo ao normal e a cabeça racha de doer.

 

 

 

                1990 - Realmente decidida em ser professora, vai para o colégio Claretiano Coração de Maria fazer o Magistério e estuda Biologia Educacional, Psicologia da Educação e Estrutura e Funcionamento do Ensino de Primeiro Grau. No colégio escreve a fábula A vida e a professora de Português achando Letícia incapaz, não acredita que o texto seja dela. Escreve o conto infantil Querida Rosa. Participa do I encontro de interação pedagógica da universidade Católica de Goiás e do curso de orientação do método de fonação condicionada e repetida com introdução à psicologia infantil e da coordenação motora para alfabetização.
                Letícia é mística, extrovertida, sensual e trabalha duro para atingir seus objetivos.
                Passa a criar desenhos para ilustrar seus textos.

         

 

 

          

 

 

                      

 

 

                

 

 


               
1991 - Inicia o estágio supervisionado na escola Estadual Irmã Gabriela e participa do II e III encontro de interação pedagógica da universidade Católica de Goiás. Nestes encontros descobre o Origami, que no futuro a tornará uma professora
da área. 
                Participa do IV concurso nacional de contos, promovido pela revista Brasília, ganhando menção honrosa com o conto infantil Querida Rosa

 

 


               
1992 - Vai para o colégio Estadual Deputado José de Assis terminar o Magistério. Geva é sua professora de estágio (e em 2000 a 2004 faz parte do corpo pedagógico da educação Municipal de Goiânia, onde Letícia é professora da rede).
                Durante o estágio, realizado numa escola estadual no Jardim América,  ocorre sua primeira aula sobre Sexualidade (Puberdade), o que no porvir a tornará Orientadora Sexual.
                Indicada pela professora de estágio Geva, como sendo uma ótima aluna, se torna professora regente, antes mesmo de terminar os estudos. E assume a sua primeira sala de aula, uma terceira série primária (quarto ano), substituindo a professora Aparecida, que havia aposentado, no
colégio Estadual Deputado José de Assis.
                Heliana Luccheze (Artísta Plástica), sua irmã mais velha, casa-se com o primo em primeiro grau, Israel Oliveira Lima (empresário) e vão morar em Mineiros.
                Mesmo com cento e um quilos, Letícia se ama, mas a sociedade não a aceitava como tal. Devido a isso, inicia um regime para os outros e não para ela; onde comia diariamente apenas uma laranja e uma maça. Com quatro meses chegou a pesar setenta e cinco quilos, onde encerrou o regime louco ganhando no futuro um desregulamento intestinal e uma gastrite.
               
C
hama a atenção por onde quer que passe e seu entusiasmo e magnetismo é contagiante.
                Pr
esta concurso público na rede municipal de educação de Goiânia e faz um estudo adicional em Língua Portuguesa, através da universidade Universo.

                                                                
                                                              Curso técnico em Magistério. Hélio (pai), Aparecida (vizinha),
                                                    Maria Auxiliadora (mãe), Mariana (de azul), Lilian Brasil (prima de rosa),
                                                      Eliana e Albertino (pais da Mariana que são amigos dos pais de Letícia).

 

 

 

                1993 - Aprovada no concurso público Municipal, é convocada para assumir regência. Assumi a quarta série (hoje quinto ano) vespertino na escola Municipal Presidente Vargas; onde conhece Wellington Carlos Duarte.
                S
endo fã de Crystian e Ralf, coloca algumas de suas músicas, como trilha sonora de alguns contos seus (Passageiro de ônibus em órbita, colocou a música: É Loucura Demais; A intimidade se fazia em palavras, na primícia, daquele beijo, colocou a música: Por Aí sem Você). 
                Letícia  é lógica e imaginativa, está sempre com um pé na terra e o outro no céu. É realista, enérgica e capaz. Utiliza seu olho clínico, para perceber as coisas e pessoas.

 

 

 

 

                1994 - Sai da escola Presidente Vargas e vai para a escola Municipal Marechal Ribas Júnior  (antigo grupo escolar Marechal Ribas Júnior) e assumi a alfabetização no vespertino. E quem é a diretora da escola, é a Maria Helena, antiga professora de Português de Letícia, lá do colégio estadual Hugo de Carvalho Ramos. em 1987. Ficou nessa escola até 2008, conhecida agora como escola Municipal em  Tempo Integral Marechal Ribas Júnior.
                Presta concurso público na rede estadual de educação de Goiânia.
               
Aos 21 anos, dá o primeiro beijo e é pela
primeira vez pedida em casamento por Jaime (empresário).
Namora com o jornalista e poeta Roberto Carlos Medrado que lhe escreve o poema: Seus Olhos.  Depois namora com Gleibson Perreira Silva (telefonista - deficiente visual), que acaba com oitenta por cento de seu romantismo e apesar de já terem as alianças, o noivado nunca ocorreu.
               
Conhece o escrito, cantor e poeta José Dário Gandhi (amigos até hoje).
                Em metamorfose constante, engorda, emagrece, engorda; pinta os cabelos de preto, loiro, ruivo e se mantém sedutora quando realça os olhos e solta o cabelão.

                Em relacionamentos, basta ter atração e ela perde a noção do tempo se atirando de cabeça. Tudo que faz, o realiza com charme, galanteios e gentilezas. É generosa e anseia que seu amado alcance o orgasmo.

                                                                   
                                  
                                     1994, em Mineiros Letícia Luccheze,
                                                                    Gabriela Luccheze e Heliana Luccheze.
 

 

 

 

                1995 - Aprovada no concurso público estadual, é convocada para assumir regência. Assumi a quarta série (hoje quinto ano) matutino, no colégio estadual Visconde de Mauá.
                Na profissão sempre teve paixão, se dedicando inteiramente com satisfação. Se julga uma profissional competente, por isso, recusa trabalhar no ensino particular; alegando que a clientela elitizada, tem todas as condições de pagar e ter qualquer bom profissional ao seu dispor e a rede pública não. Com este pensamento, permanece a disposição dos menos favorecidos.
               
Conhece o professor de natação Antônio Luiz Garcez; o qual escreve o conto Passageiro de ônibus em órbita (ele a pede em casamento de 1995 à 2019 continuamente sem parar).
                E
screve
um jornalzinho para a rua onde mora chamado: Ativo.
                Sua mãe sempre repetia que ela tinha a
cara, o jeito e o gênio do pai (o que não deixa de ser verdade).
                Letícia é uma mulher eclética, intuitiva, irreverente, autodidata, prolífera, experiente, inovadora, se adapta as dificuldades da vida é progressista, mas não negligencie suas raízes.
                                          

                                                                    
                                                   Cartão da mãe do aluno Maxwell.                     1995, em casa, no seu quarto,
                                                                                                                                
em sua casa atual, a casa de sua mãe.
                                                                                                                                Hoje é a sala Mister Sam - Artes Cênicas.

 

 

 

                1996 - É extremamente autoconfiante e sempre manifesta seu amor de modo demonstrativo. É calorosa, vibrante e ardente e tem técnicas e truques especiais para levar o homem a loucura.
                Conhece Lindomar Araújo Souza, que namora quatro meses.
                Sem querer, Letícia r
ouba uns tantos namorados e deixa na saudade muitos admiradores. 
                Neste mesmo ano, fica noiva de Arionaldo
.

                                                                                                   
                                                                        1996, Heliana, Gabriela, Letícia, Maria Auxiliadora
   
                                                                                   e Hélio. Aniversário de sua mãe.
  
                                                                          Hoje é a sala Heliana Luccheze - Artes Visuais.

 

             


               
1997
-  Sai do colégio estadual Visconde de Mauá e vai para o colégio estadual Rui Rodrigues, assumindo as disciplinas de Língua Portuguesa, Ensino Religioso, Educação Artística e Educação Sexual da quinta a sexta séries matutino (hoje quinto e sexto ano).
Escreve um jornalzinho para a escola chamado U.E.R.R..
                Conhece
Elaine Medeiros (hoje amigas, inclusive é o filho mais novo de Elaine que faz um filme de Letícia em 2009), Bruno Rodrigues Souza e Elenivaldo Rodrigues do  Nascimento.
               
Conhece o
pastor e professor de História João Carlos da Motta e Giovani que lhe pedi em casamento. 
                H
elena Maria Francisco (futura madrasta de Letícia) fica viúva de Valdeci Moreira.                      

 

 

 

                1998 - Faz matrícula na universidade Católica de Goiás para Letras Licenciatura/Espanhol, no horário matutino; onde estuda Sexualidade na Escola, Filosofia, Análise de Filmes com Enfoques Teológicos, Comportamento Animal, Informática na Educação, Teologia etc.. Em meio a esses estudos, realiza uma exposição em sala sobre: Fanatismo e outra sobre A Informática em meio a Educação.
                Conhece o padre e estudante de  filosofia João Marcelino Ribeiro e
o professor de música
Wesley Mariano de Oliveira; o qual escreve o conto A intimidade se fazia em palavras, na primícia, daquele beijo.
                Em relacionamento, Letícia não marca passo e pula rapidinho de uma relação que não está dando em nada; pois a pessoa que estiver ao seu lado deve ter personalidade forte, ser sincero ao extremo, romântico, dedicado, trabalhador, sensível, companheiro, criativo, inteligente e tem que ser homem.
                Escreve um jornal-panfleto chamado A Realidade.

                                                           
                                                           1998, Heliana, Letícia e Gabriela.                        Em seu quarto.
                                                                                                                                           Hoje é a sala Mister Sam
                                                                                                                                            - Artes Cênicas.

 

 

 

                1999 - Sai da escola estadual Rui Rodrigues e vai para o colégio estadual Hugo de Carvalho Ramos e assumi as disciplinas de Língua Portuguesa, Literatura e Educação Sexual no período noturno. Escreve um jornalzinho para a escola chamado Hugo. O colégio transforma em colégio Militar  Hugo de Carvalho, nisso conhece o poeta e policial militar Ronaldo Dias Gomes.
               
Conhece Fernando  Domingues Silva e
Walter Jerônimo Júnior (amigos até hoje).
                Ministra uma palestra sobre Sexualidade para jovens, na igreja Católica do setor Pedro Ludovico, participa do I concurso de poesia e prosa maçonaria nas letras e faz um curso de informática educacional para a escola do século XXI.
                Abre a primeira turma do curso de Sexologia
e conhece José Sandoval Marques (ator e mágico, hoje são amigos). 

                                                                                                                                
 


                2000 - Em agosto, sai do então colégio Militar Hugo de Carvalho Ramos e vai para o colégio estadual Cora Coralina, assumi da sexta ao terceiro ano do segundo grau noturno (hoje seria do sétimo ao terceiro ano do Ensino Médio); tendo como colega de profissão Almi Cardoso Silva (
técnico em edificações e professor de Ciências Sociais, Geografia e História), conhece Rafhael Leandro da Silva (futuro marido de Letícia) e Sandro Fernandes Siqueira e Silva. Escreve um jornalzinho para a escola chamado Info Hot.
                R
ealiza uma oficina de Origami para os estudantes dos colégios em que trabalha.

                Participa do IV concurso nacional e internacional em Língua Portuguesa de contos e poesias e
é pedida em casamento por Walter Jerônimo Júnior.

                Letícia é cordial, franca, corajosa, envolvente, criativa, dominadora, perfeccionista, encantadora, seletiva, companheira, pretensiosa, vigorosa, tesa e quase insaciável. Ela valoriza a duração do relacionamento e exige fidelidade e dedicação absoluta. Ao seu lado, poderá contar com compromisso, integridade, franqueza, vitalidade, fidelidade e segurança.

 

 

 

             2001 - V1ai morar sozinha entre as escolas em que trabalha e fica noiva de Rafhael Leandro da Silva.
                Gabriela Luccheze (sua irmã mais nova) casa-se com
Jaques Silveira Lopes (doutor em Matemática) e vão morar em Brasília, depois Arraias no Tocantins, seguindo para o Pará,  vão para Viçosa e retornam ao Pará, especificadamente a cidade de Natal.

                Helena Maria Francisco, conhece Hélio Luccheze e Maria Auxiliadora (pais de Letícia) no curso Querigma da igreja Católica São Paulo Apóstolo.
               
Letícia é sucinta, polivalente, elegante, sensível, equilibrada, simples, culta, objetiva, dinâmica, reservada e flexível.

                                                                            
                                                                                                 2001, no zoológico de Goiânia. 

 

 

 

                2002 - Para o lamentar de alguns homens, em janeiro, Letícia casa-se com Rafhael Leandro da Silva. No casamento é presença marcante de Divino um vizinho e amigo, não só de Letícia, mas também de seus pais. Antes do casamento, Divino lhe diz, que não foi em nenhum dos casamentos de suas irmãs (Heliana e Gabriela), mas que no dela iria. Pois além dela morar dentro de seu coração, tinha deveras consideração, o que as outras irmã não souberam conquistar.
                Em mesmo mês,
Heliana Luccheze divorcia e retornando para a casa dos pais.
                Com sete anos na rede estadual de ensino, lotada no colégio estadual Cora Coralina, pede exoneração por motivos particulares e faz a matrícula para Arte Cênica Licenciatura (Teatro) na Universidade Federal de Goiás.
                Em março, sua mãe adoece, então tira licença da rede municipal e vai cuidar dela no hospital. Ao doar sangue pela primeira vez, para a sua mãe, acaba se tornando uma doadora frequente. Em 25 de abril, às onze horas da noite, sua mãe morre de câncer no hospital Araújo Jorge. A partir daí, Letícia nunca mais foi a mesma. Ela não entende, por que perderá a mãe. Por que Deus a levará. Por que Deus não a curou, ou mesmo retirou aquela doença. Por que pessoas bem mais velha do que ela, ainda tinha mãe e ela não. Por que pessoas más, ruins, tinham mãe e ela não. Não entende por que o mundo não acabou, ou por que não parou com a morte de sua mãe.
                Aos 29 anos, por alguns meses, se tornou rebelde e agressiva. Por muito tempo, nos dias 25 de cada mês, seu pai e ela iam na igreja,  orar por sua mãe. Letícia e o pai, choram até hoje. O único consolo que tem, é que um dia irá encontrar com a mãe. 
                Heliana Luccheze (irmã mais velha) casa-se pela segunda vez, com
o seu psicólogo, Cícero Pereira Lima (psicólogo e funcionário federal) e mudam para Curitiba, depois para Miracena no Tocantins, depois para Caldas Novas e por último para Goiânia.
                Dois meses depois da morte de sua mãe, seu pai, Hélio Luccheze inicia um namoro com
Helena Maria Francisco da Costa.
                Inicia uma discórdia entre irmãs; pois tanto a Gabriela como a Heliana desejavam vender a casa da mãe e Letícia não. Enquanto  ambas são materialistas, visando somente o dinheiro da venda, Letícia é sentimental e sente a mãe em casa  e não no cemitério, sendo a casa toda a sua mãe.
                Com a morte de sua mãe, o seu tio Joaquim (irmão de seu pai, hoje casado com dois filhos) espalha mentiras horríveis a respeito do tratamento das filhas com a mãe no hospital. O dia em que ele por infelicidade, esbarrar  com Letícia pela rua, tomará a sua segunda surra merecida; pois a primeira foi   dada por  sua mãe em 1971.
                H
oje, Letícia senti o que sua mãe  sentiu por  anos, chorando pela sua mãe falecida (Placidina Maria de Oliveira). Por muitas vezes, presenciou sua mãe chorando pela mãe (Placidina). Sua mãe, em meio a trabalhos domésticos gostava de cantar e quando cantava a música Mamãe de
Herivelto Martins (Ela é a dona de tudo,/Ela é a  rainha do lar,/Ela vale  mais para mim/Que o céu, que a terra, que o mar//Ela é a palavra mais linda/Que um dia o poeta escreveu/Ela é o tesouro que o pobre/Das mãos do Senhor recebeu//Mamãe, mamãe, mamãe!/Tu és a razão dos meus   dias,/Tu és feita de amor e esperança/Ai, ai, mamãe,/Eu te lembro -chinelo na mão,/O  avental todo sujo de  ovo,/Se eu pudesse, eu queria outra vez, mamãe,/Começar tudo, tudo de novo). Maria Auxiliadora chorava em  prantos e falava como sentia saudades e falta de sua mãe. Um desses momentos, Letícia estava presente e nunca esqueceu essa cena, de dor de sua mãe. Agora esta dor, ela também  sente e a carregará até a morte, como sua mãe fez pela sua mãe Placidina.

 

 

 

 

                2003 - Dedica-se ao pai, que estimulada por ele e pelas irmãs pinta as telas Tulipas  Vermelhas (tala vendida) e Peixe Amarelo (está na parede de sua casa).

                                                 
                                         Tulipas Vermelhas (tela vendida,                              Peixe Amarelo.
                                       está na parede, na casa de alguém).

 


                Faz parte da direção e realiza a sonoplastia e o cenário do quadro Vagabundo (poema de Álvares de Azevedo); o qual é apresentado juntamente com outros quadros, para alunos do terceiro ano em escolas públicas de Goiânia, no Goiânia em Cena, em Anápolis e em Trindade.
                Recebe o convite para encenar em duas peças teatrais, mas recusa.
                Faz uma cirurgia na boca, para enxerto de gengiva e outras intervenções cirúrgicas,
em quatro partes do corpo, para retirada de tumores benignos.
                É publicado o seu poema Repressão no Ensaio Poético Virtual que retrata a natureza, a  vida, o universo e a humanidade em versos. 

                                         www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=24121&cat=Artigos

           
                Achando não ter aptidão para pintura em tela, como o pai e as irmãs, faz um curso de fotografia através  do Instituto Padre Reus. 
                Em alguns momentos, Letícia se assemelha com uma tartaruga (símbolo da sabedoria). Ela sabe que devagar se vai ao longe (é melhor fazer tudo com calma e direitinho para não tomar o caminho errado). Este seu jeito de  levar a vida, lhe traz uma baita experiência, que sempre é compartilhada com outros. Quando a tartaruga  recolhe a cabeça, muitos pensam que é medo, mas na verdade, daí vem todo seu poder de concentração, tendo ela, a  tartaruga, a voz do conhecimento. Esse momento de recolher a cabeça Letícia se faz estando em sua casa, reflexiva, em meditação.

                                                                               
                                                                                  No jardim de sua casa atual, a casa de sua mãe.
                                                                      Gabriela, Hélio, Letícia e Heliana do que sobrou da família.
                                                                                                   E se sobrou alguma coisa.
                                                                       Hoje, o jardim, se transformou na sala Gabriela Lucheze
                                                                                               - Relaxamento e Meditação.
 

 

 

            2004 - Se destaca por sua boa fé e as pessoas sempre contam com ela; pois ela é leal. Possui o hábito, de avaliar cuidadosamente cada situação, antes de tomar uma decisão e o mesmo se aplica às pessoas que ela escolhe ter ao seu lado.
                Monta um estúdio fotográfico e em 27 de janeiro, realiza o primeiro trabalho profissionalmente, fotografando com exclusividade Cristiana Bueno, formada de Pedagogia. 
                Realiza uma palestra sobre Sexualidade no Ciclo III (sextas e oitavas séries - hoje sexto, sétimo e nono ano do Ensino Fundamental) de uma escola municipal de Goiânia.
                Sua irmã mais nova começa a atacar o emocional de Letícia, para convencê-la a vender a casa da mãe. Muito emocionada e para encerrar a pressão, Letícia diz que só vende a casa se o juiz determinar tal coisa, caso contrário não.
                Participa do Quarto Salão Nacional de Arte de Goiás, na área de Fotografia e Performance.
                Com os amigos Július César Monteiro e José Carlos com a cena A morte de Marta e apresenta no I Festival Cenas Curtas realizado no Martim Cererê.
                                                                                                                                
                Separa de Rafhael Leandro; pois precisava de um homem em casa e tinha era um menino.
                Em 31 de  julho, às dez horas e vinte minutos da noite, é assaltada e esfaqueada. E às onze horas está no portão de casa sangrando, que ficava a um quarteirão da tentativa de latrocínio.  Passou por três hospitais e todos disseram que a facada no peito era para matar e que ela só não estava morta,  porque era gorda; pois a  gordura impediu que a faca chegada ao coração, pois se fosse magra estaria  morta. 

            ---
Oi Letícia, fiquei sabendo hoje 03/08, espero que já tenha se recuperado um pouco do ocorrido... Fico feliz em saber que você está viva. Tenho você como uma grande amiga, desde os tempos de "Cora Coralina", pois sempre vi em você uma pessoa inteligente, capaz e decidida com seus interesses. Fiquei triste em saber que seu  casamento com o Raf não deu certo e fiquei ainda mais triste com esta notícia do assalto. Eu sempre quero me enganar que as pessoas são boas e o que falta é oportunidade, mas acontece estas coisas que me deixam desiludido. A falta de amor uns com os outros, a covardia de pessoas como esta que te machucou... Espero que você melhore  logo e peço a Deus que mude a consciência destas pessoas que tentam machucar os outros. Espero receber boas  noticias logo. Um grande abraço! Werlon Guilherme.

            ---Nossa, Letícia! Que coisa, hein... A gente que mora nas grandes cidades sofremos mesmo com a violência, né? Espero que você esteja bem agora, e que esse susto desapareça logo da sua mente. Um beijão! Lillith.

            ---Nossa, Gata, foi DEUS mesmo! Só ele nos protege! Ele deu-lhe nova chance, aproveite-a! Espero que esteja recuperada do trauma! Beijinhos, Damien Zambellini!

            ---Oi, gostei de falar com você hoje, apesar de ficar um pouco preocupado com sua saúde. Se precisar de algo não hesite em me ligar. Beijinhos do seu amigo Otto.
  
            ---Amiga, estou assustado com o que aconteceu contigo. Torço pra que se recupere logo (da agressão física e psicológica). Sucesso. Beijos, Darcy.
        
   

               Letícia n
unca teve problemas de conversar dormindo, mas ultimamente enquanto dorme chora à noite e no dia seguinte não se recorda do  ocorrido.
           
Em quatro de setembro de 2004, seu pai sai de casa e muda para o Jardim América. Se sentindo só, reconcilia o casamento com Rafhael Leandro, onde ambos decidem mudar.
                Leyla Miranda prima de seu pai, ao lado de Jaques (marido de sua irmã mais nova) bombardeiam Letícia por todos os ladosm para convencê-la a vender a casa de sua mãe.
                Em vinte e cinco de setembro, Rafhael e Letícia levaram as quatro cachorras para serem vacinadas, Ruth (cachorra da Gabriela) foge da coleira para nunca mais ser encontrada.
Gabriela culpa Letícia até hoje, pelo sumiço da cachorra.
                Em 23 de novembro, encena no auditório da faculdade de Artes Cênicas com Július César, Carla Miranda e Patrícia Mendes a cena Vladimir o vampiro apaixonado de autoria de Július César e adaptação de Letícia. Em mesmo auditório, encena com Rafael de Jesus e Július César a cena O encontro, autoria de Rafael de Jesus, onde contém personagens da Commédia Dell'Arte (inspirada na cena O encontro, Letícia escreve em 2006 a peça Porção do amor ás avessas).

 

 

 

                2005 - Letícia é instintiva, extremamente detalhista, apaixonada, afetuosa e terna. Sabe o que precisa fazer, para transformar todos os seus sonhos, em planos e fazer com que esses planos virem realidade. Graças à enorme disciplina que impõe para si, assim como a sua dedicação e esforço que ela sempre coloca para atingir seus objetivos. É uma pessoa extremamente dedicada e faz tudo com entusiasmo e gosto. A vida para ela, é como um lance de escadas, que você sobe, passo a passo. Progredir e se desenvolver são para ela, a parte mais importante de sua vida e ela tem certeza de que todo o esforço que faz na vida, sempre é recompensado. Cativa os homens com sua natureza simples. Eles sentem que precisam cuidar dela de alguma forma. Entre quatro paredes, não gosta de tomar a iniciativa. 
             
 Hélio Luccheze Costa, casa secretamente com Helena Maria Francisco da Costa, no dia 8 de janeiro de 2005 às 16:00 horas.
                Faz curso sobre Como Instalar um Laguinho em seu Jardim, O Teatro de Bonecos na Educação, Sexo a Infinita Fonte da Juventude,
Usando a expressão artística no trabalho com crianças, Principais técnicas de um bom contador de histórias, Técnicas básicas de aprendizagem e memorização e A cenografia do teatro ocidental: do final do século XIX aos dias atuais; todos feitos através da Universidade Estácio de Sá.
                Por infidelidade, separa pela segunda vez, de forma definitiva de Rafhael Leandro. Se ela não é a única mulher, então é melhor cada um pegar o seu caminho.
                Através da biblioteca Erly Marques Sano, Letícia ministra
a II Oficina de Origami como também uma Oficina de Máscara e uma de Teatro na escola Municipal Marechal Ribas Júnior.
               
Letícia é assaltada pela oitava vez, dentro do terminal da praça da Bíblia e dias depois, quase ocorre o nono no mesmo terminal.
                Apresenta como diretora, no dia 4 de junho, no Teatro Goiânia, no II Festival de Cenas Curtas a cena Pura safadeza masculina, com o grupo de Teatro da escola. E em mesmo dia sobe no palco como atriz, na cena de Július César O bicho homem, as mulheres e os periquitos
                No dia 18 de junho, retorna ao teatro Goiânia, com o grupo de Teatro da escola, para o VII Festival de Poesia Encenada com o poema: Não tem jeito que dê jeito, de Sílvia Schmidt.
                É pedida em casamento pela segunda vez por Walter Jerônimo Júnior.
                Inicia um estudo bíblico, com a líder de célula Cristiana Bueno.
                No dia 6 de dezembro, defende a sua monografia O Teatro de Animação na Educação Infantil, na universidade de Música e Artes Cênicas.
                E em 7 de dezembro, apresenta  com os colegas de universidade a peça Bodas de Sangue, de Lorca, onde faz o papel de uma costureira.
                Em mesmo ano, apresenta com os alunos de Teatro da escola Municipal Marechal Ribas Júnior a cena Conde Draculino, adaptação da peça Vladimir o Vampiro Apaixonado, de Július César Monteiro Costa nas escolas:
Colégio  Estadual Cora Coralina (Goiânia); Escola Municipal Costa e Silva (Goiânia); Escola Municipal Esperidião Jorge  (Goiânia); Colégio Estadual Gracinda de Lourdes (Goiânia) e Escola Municipal Deraldo Lisboa dos Santos (Aparecida de Goiânia).

 

 

 

                2006 - Letícia é sociável, pensadora, amigável, calma, doce, comunicativa, bondosa, romântica, sensitível, sonhadora e se apega rapidamente as pessoas. Vê cada pessoa, como única e tenta o extremo para não magoar ninguém. Senti confortável, quando está só e sempre está contra os mentirosos e aqueles que são desonestos. Sempre presta atenção à imagem completa, ao invés dos pequenos e por vezes desnecessários detalhes do ser humano. Está na sua natureza, utilizar suas habilidades intelectuais, para resolver afazeres diários. Não tem medo de encarar o desconhecido, explora novas ideias e gosta de aprender coisas novas.
             
Faz cursos sobre A Música na Educação; A Sala de Aula e a Construção do Vínculo professor-aluno; A Sucata como Recurso Educacional; Formas de Trabalhar a Literatura Infantil; Aprendendo técnicas de relaxamento; Técnicas de Relaxamento Aplicadas à Educação; Violência nas Escolas: fatos, histórias e soluções sugeridas e Como fazer Brinquedos de Sucata; Aprenda a fazer a manutenção do seu Windows 98; Como produzir um programa de rádio; Conheça os programas acessórios do Windows 98; Locução para rádio FM; Informática para iniciantes; Internet: conhecimentos básicos; Reciclagem de lixo: saiba mais sobre o assunto; A música na educação; A sala de aula e a construção do vínculo professor-aluno; Dicas sobre hardware, DOS, Windows, Word e internet; HTML para iniciantes. Todos feitos através da universidade Estácio de Sá.
                Em 20 de janeiro, Letícia (Goiânia) junto com Rafael  de Jesus (Inhumas) e Július César (Anápolis), colam grau se tornando cada um deles o primeiro professor formado em Teatro Licenciatura de sua cidade.

                            
                                  Július César Monteiro, Letícia Luccheze e Rafael de Jesus,  após a colação de grau.

 

 

                Após 4 anos, longe da educação na rede estadual, presta novo concurso, só que agora na  área de Teatro. E no dia 12 de fevereiro, dia da prova do concurso, prestam com ela em mesma sala, Július César Monteiro e Rafael de Jesus. E os três, passam no concurso.
                Vai com a amiga Cristiana, assistir a um culto em que o pastor tem o dom da revelação. Em meio ao culto, o pastor caminha entre as pessoas e começa a falar. Ele para em Letícia e fala: "Você não está aqui por acaso, Deus te enviou aqui. Você passou por uma profunda dor e Deus sabe disso. Saiba que as portas que estão fechadas irão se abrir. E ai daquele, que mexer com você, porque Deus está contigo." Deus não deixou ela morrer por duas vezes, uma quando criança no mar e a outra na fase adulta após um assalto com esfaqueamento em 2004.
                Pega uma virose, que a deixa com febre o dia inteiro, por mais de dez dias.
                Depois do assalto de 31 de julho, nunca mais saiu de casa e quando é obrigada a sair para trabalhar, entra em pânico interiormente. Sai de casa assustada e com medo, olhando sem parar em todas as direções, em todas as mãos dos que passam, sempre apressada e com o coração acelerado. Nem acompanhada se sente segura. Se não está no trabalho, ela está trancada em casa.
                Dia 16 de maio, acorda com uma mancha na pupila do olho direito, ninguém vê a mancha apenas ela. Onde quer que ela olhe, a mancha está lá. No dia seguinte preocupada, vai ao oftalmologista, que diz que o que ela tem é chamado Escotoma, ou Mosca volante. E que isso vem com a idade e vem pra ficar. Mais tarde, já em casa, se sente muito triste por cair na real que já está velha e sem filhos. À noite, ora em nome de Jesus, pedindo que se for da vontade dele, que retirasse a mancha de seu olho. Ela orou umas duas ou três vezes e o que se sabe é que depois de dois ou três dias a mancha sumiu completamente de seu olho. Jesus nos diz em  João capítulo 14, versículo 14 "O que vocês pedirem em meu nome, eu farei."
                Em 9 de julho, Letícia cria O encontro entre amigas, uma associação de mulheres, tendo em comum a amizade, que visa a ajuda mútua de forma emocional e financeira.

                                          

 

 

                Em meio a penúltima semana de julho, Heliana, Letícia e Gabriela se encontram no M.S.N. e a conversa se faz, em inventário, venda da casa e a extinção da família. A partir desse dia Letícia cortou contato também com Heliana o que já ocorria com Gabriela.
                No dia 27 de julho, Gabriela liga ao pai e comunica que está grávida de três semanas.
                Letícia é compreensiva, intuitiva, teimosa, independente, observadora, líder, entusiasta, acolhedora, cautelosa, cooperativa, sistemática, conhece seus limites, receptora, mostra como é, perceptível e tem o desejo de  viver longe da sociedade.
                V
ai dar aula de Teatro no Ciclo III, no período matutino na escola municipal Geralda de Aquino.
                Faz um ensaio fotográfico com os alunos da escola municipal em tempo Integral Marechal Ribas Júnior; a qual cansada de ser tapete, pede remoção.
                Em 6 de outubro, o médico pessoal de Hélio Luccheze (homeopata), diz que ele deverá fazer uma cirurgia no coração, devido a quatro veias entupidas. Uma está 100% entupida, outra 80, 70 e 60%.  No dia seguinte, Hélio fala para Letícia que não não irá fazer a tal cirurgia e que morrer um dia todo mundo vai. Em prantos, Letícia se desespera por não saber o que fazer; pois não está preparada para perder o pai. Em 19 de outubro, um médico cardiologista diz a Hélio, que se ele ficar sedentário, terá 6 meses de vida, caso contrario morrerá a qualquer momento. Ele decide então operar, com a cirurgia marcada para 23 de outubro, na parte da manhã, no hospital Lúcio Rebelo. Gabriela chega de Natal, a cirurgia é um sucesso e Hélio vai para casa no dia 27 de outubro.
                No início de dezembro, Lilian Brasil, prima de Letícia passa a morar com ela. Gabriela Luccheze, achando que com a Lilian morando com Letícia, é que não vai conseguir vender a casa da mãe, se enfurece em cima de Letícia, Lilian e  Delva (mãe de Lilian). Em 22 de dezembro, Gabriela faz uma visita surpresa a Letícia e ao chegar fala que: "a sua casa (casa de sua mãe) é a mais fácil de ser roubada, que se um ladrão chegar na rua e for escolher uma casa para roubar, seria essa."
                Dia 24, Cristiana Barros, dá a Letícia, a notícia que seu nome consta no jornal, sendo convocada para assumir regência na rede estadual de Goiás. O aniversário é de Jesus e foi  Ele quem lhe deu o presente. No mesmo dia,  vai a igreja da amiga Cristiana Bueno, assistir a um espetáculo em homenagem ao aniversário de Jesus.
                No dia seguinte (25 de dezembro), por volta das 3 horas da tarde, entra ladrão em sua casa e faz o limpa. De computador a tapete, de aparelho de D.V.D. a planta. O ladrão bateu em suas cachorrinhas, ficando por volta de sete horas dentro da casa e só foi embora porque Letícia e Lilian haviam chegado. Neste roubo, a perda maior foi os textos inéditos. Textos que estavam prontinhos, esperando só para serem divulgados; o qual ela não tem cópia. ...Deus participa de tudo, nada é em vão, nada é por acaso...

                                                                                                 
                                                                               
           

            

                2007 - Não vê com os olhos, mas vê com o coração. Cuida dos outros, mas também de si mesma e isto lhe faz bem; pois melhora a qualidade dos seus relacionamentos. É gentil com o próximo, mesmo quando acontece de alguém abusar da sua disponibilidade, o que lhe decepciona profundamente.
                Em 4 de janeiro, Letícia, Július César Monteiro e Rafael de Jesus aprovados no concurso da educação do estado, assumem regência.
                Retorna para o colégio estadual Cora Coralina, do qual havia saído em 2002.

                Em janeiro, após fazer a mesma cirurgia que seu pai no coração, morre Antônio José, seu tio, irmão de sua mãe.
                Em fevereiro, morre dormindo, Divino um vizinho e amigo do coração, que foi em seu casamento.
                Pela segunda vez,
retorna a trabalhar nos três turnos, ministrando aulas de Teatro na escola municipal em Tempo Integral Marechal Ribas Júnior e no colégio estadual Cora Coralina. E de Teatro e Ensino Religioso na escola estadual Gracinda de Lourdes.
                Pela segunda vez,
pega uma virose, que a deixa com febre o dia inteiro, por mais de dez dias.
               Fazendo a leitura de uma revista, descobre que tem prosopagnosia, ou informalmente, cegueira para rostos. Tem dificuldade de identificar uma mesma pessoa, após algum tempo depois detê-la conhecido. Ou seja, ela precisa de ver seu rosto (ver você) várias vezes, para poder te identificar em um outro dia. Caso contrário ela não o identificará. Sempre teve isso, mas nunca achou que fosse um distúrbio e que tivesse um nome. Mas graças a Deus, o nível em que ela está é leve em relação aos demais descritos no artigo da revista.

                Letícia
tem uma grande necessidade e capacidade de realização. Tem o raciocínio perspicaz, prático e analítico, é profundamente ligada à sua casa e família.
               
Conhece o diácomo e estudante de filosofia Paulo Vitor (hoje ex diácomo).
               
Em 22 de março, nasce no Pará, Matheus Luccheze, filho de Gabriela Luccheze e Jaques Lopes (Letícia agora é tia).
                Em 31 de março, Helena Maria, esposa de Hélio Luccheze, encontra seu filho Jean Pierre,  esfaqueado e degolado no chão da sala, pelo próprio primo.
                Em 21 de abril, promove o primeiro festival de Teatro da Vila Redenção, CENAS CURTAS - monólogos. Com o objetivo de selecionar os melhores atores de escola pública do referido setor, para a montagem da primeira companhia teatral do setor. No júri estavam Lilian Americano (atriz), Július César Monteiro (dramaturgo), Josy Vieira (professora de Teatro) e Meire Evangelista (atriz). Vencedores:
Jeferson Barbosa, Isac Ferreira, Roberto Rassi, Aldyne Muller, Hugo Alves, Jhonny Felix, Amanda Moraes, Charlles William, Rhaynan Eliphas, Laysla Braga, Carlos Valério e Matheus Cruz.

                                         
           JÚRI: Lilian Americano, Július César Monteiro, Josy Vieira, Meire Evangelista.

 

 

                É criada A COMPANHIA TEATRAL LUCCHEZE, o primeiro grupo teatral da Vila Redenção, tendo no elenco alunos de escolas públicas.


COMPANHIA TEATRAL LUCCHEZE.
Elenco: Jeferson Barbosa, Isac Ferreira, Roberto Rassi, Aldiny Muller, Hugo Alves, Jhonny Felix, Amanda
Moraes, Charlles William, Rhaynan Eliphas, Laysla Braga, Matheus Cruz, Leonardo Coutinho, Thamyres
 Sampaio, Magda Vilela, Higo Moreira, Rayssa Queiroz, Wendy Chagas, Larissa Queiroz, Nara Gomes, e
          Maraisa Carneiro.           

 

 

                É convidada por Elizeu Cassimiro Cardoso, proprietário do jornal O Portal, para ser colunista das colunas sobre cultura e sexualidade. Pedido feito, pedido aceito e escreve para o jornal até 2008.
                Em 30 de maio, gripada, acordou as 4 da manhã, com o ouvido esquerdo doendo que não aguentava  mais. Achou estranho, o ouvido não parar de doer, mesmo depois de ter pingado o remédio; pois depois de anos de uma cirurgia que fez nos dois ouvidos, eles não poderia doer dessa forma. Foi ao médico, ao chegar lá e retirar o algodão do ouvido, ele estava com sangue. Agora, você precisa tentar imaginar, o processo de dor que ela passou, ao ponto do ouvido sair sangue. O médico disse, que tudo era gripe, receitou remédios e pediu que retornasse ao término dos mesmos. Dez dias depois, com os remédios terminados, no dia 11 de junho, retorna ao médico ainda pior. Antes tinha um ouvido doendo, agora retorna com os dois ouvidos doendo, tendo febre de manhã, de tarde, à noite e a madrugada inteira, com o estomago embrulhando, tento vômitos, com a cabeça doendo de forma igual e quente, tendo tonturas como estivesse constantemente embriagada. As luzes andavam para todos os lados, as tintas das paredes mexiam  e tudo ao seu redor rodava, rodava. O médico receita os mesmos remédios e diz para voltar daqui a dez dias quando eles terminarem. Chega em casa e fica encasquetada; pois se já tinha tomado aqueles remédios e ficou foi pior, precisava era ir em outro médico. Custou pra chegar no outro médico; pois tudo rodava o que causava um mau estar terrível. Conclusão: chegou ruim, ao segundo médico e saiu do consultório dele pior ainda. Como? Vou te contar. Contou para o segundo médico todo o processo de dores de ouvido desde a infância, até chegar ao médico anterior. Depois de ouvi-la, esse segundo médico, disse que ela tem ansiedade e que isso tem que ser tratado. Disse, que ela está no início de uma depressão e o que causa isso é o excesso de trabalho (agora entendo porque ela não aguentava mais os barulhos que os meninos faziam na escola). E olha que ele nem sabia que tanto ela trabalhava (ela só trabalha de manhã, a tarde, à noite, sábado e às vezes aos domingos). O médico continuou dizendo que ela tem sinusite (agora sim está explicado a cabeça doendo de forma igual e quente e as febres). Concluindo o diagnóstico, o médico disse, que ela está com labirintite (agora também está explicado as tonturas como estivesse constantemente embriagada. As luzes andavam para todos os lados, as tintas das paredes mexendo  e tudo ao seu redor rodava, rodava.). Ele ainda complementou que o labirintite é desencadeado por problema emocional e o curioso é que dois dias atrás havia terminado um relacionamento, onde o individuo era um bruto mentiroso; o qual tentou acabar com ela de forma  psicoemocional. Que coisa! Agora junta os sintomas da ansiedade que são: boca seca, suor, tremor, fraqueza, insônia. Mais os sintomas da depressão: perda de energia ou interesse, dificuldade de concentração, alterações do apetite e do sono, lentidão nas atividades físicas e mentais, sentimento de pesar ou fracasso. Junta também os sintomas da sinusite: febre, tosse, cansaço, coriza, dores musculares, perda de apetite, dor de cabeça e essa dor pode ser forte, em pontada, pulsátil ou sensação de pressão ou peso na cabeça. Junta mais os sintomas do labirintite: tontura de origem visual, neurológica e psíquica, desequilíbrio, a pessoa sente-se girando no meio ambiente ou o ambiente gira a sua volta, náuseas, vômitos, suor, palidez e sensação de desmaio, estômago embrulhado, diminuição da audição, dificuldade para entender, desconforto a sons mais intensos, perda de memória, dificuldade de concentração, fadiga física e mental. Somou tudo? Tem certeza que não faltou nadinha? Pois essa mulher estava sentindo isso tudo, ao mesmo tempo e não tinha ninguém. Olha vou te contar, a mãe dela é de origem indígena, sendo assim ela como a mãe, são duras na queda. Mas Letícia chegou ao um ponto que não aguentou mais, e chorou em prantos pedindo ajuda pra Deus. E você acredite que ela ainda estava dando aula. E o primeiro médico estava tratando ela de gripe, sendo que ela tinha ansiedade, estava no início de uma depressão, tinha sinusite e labirintite. Parece brincadeira! O segundo médico, aconselha ela a procurar um psicólogo e um psiquiatra para tratar a ansiedade e o início da depressão. E devido a seus problemas de saúde, em 16 de junho Josy Vieria passa a  trabalhar na Cia Teatral Luccheze junto com Letícia.
               
Em 25 de junho, vence a primeira etapa do concurso "Desafio - Educação em Destaque 2007" com a cena "Goiânia em Risos" - comédia de sua autoria e tendo no elenco Gustavo  Pimentel, Alexandre Brito, Jeferson Barbosa, Amanda Moraes, Matheus Cruz. Os últimos três são da Companhia Teatral Luccheze. Esse concurso foi promovido pela secretaria municipal de educação e envolveu todas as escolas municipais de Goiânia. 

                                                                            
                                                                         Goiânia em Risos - comédia de Letícia Luccheze.
                                                                             Elenco: Gustavo Pimentel, Alexandre Brito,
                                                                      Jeferson Barbosa, Amanda Moraes e Matheus Cruz.

 

 

            O IV Festival de Cenas Curtas de Teatro da F.E.T.E.G., que aconteceu em 14 de julho, a Cia Teatral Luccheze levou duas cenas: Galinha Não Tem Sexo de Roberto Rassi e  Farsa de Amanda Moraes, a infidelidade masculina foi tema marcante nas cenas cômicas.  A cena Farsa ficou entre as três melhores cenas e também entre os três melhores textos inéditos. Jeferson Barbosa ficou entres os três melhores atores do estado de Goiás com a cena Farsa. E entre as três melhores atrizes de Goiás estão Laysla Braga com a cena Galinha Não Tem Sexo e Amanda Moraes com a cena Farsa.
                No IX Festival de Poesia Encenada da F.E.T.E.G., que aconteceu em 15 de julho, a Companhia Teatral Luccheze fica entre as duas melhores poesias (Uma Vida, Uma Prisão, quatro Paredes), na categorias maquiagem.
                No dia 2 de gosto, divorcia de Rafhael Leandro.
                No dia do seu aniversário, no dia 14 de agosto no Teatro da T.V. Serra Dourada, juntamente com os alunos Alexandre Brito, Matheus Cruz, Gustavo Pimentel, Amanda de Moraes e Jeferson Barbosa vencem a final do "DESAFIO EDUCAÇÃO EM DESTAQUE 2007" na categoria TEATRO com a cena "Goiânia em Risos". Sendo considerada assim, como a melhor professora de Teatro da Rede Municipal de Goiânia.

                                                                          
                                                                                    Comédia de Letícia Luccheze.

 

 

            Entre os dias 18 e 19 de agosto, concorda com o que o médico lhe disse e pela primeira vez, em 22 de agosto, entra em um consultório psiquiátrico. E em 27 de agosto, inicia um tratamento psicológico. Aceita que está doente; pois os remédios do psiquiatra fazem resultado, retirando a ansiedade e a angustia. Em meio as consultas psicológicas, percebe duas coisas, a primeira: que a tal da depressão não é só devido ao excesso de trabalho é também por causa da família que não tem mais. E até hoje, chora pela morte da mãe, sem saber ainda como lidar com isso. Só sabe, que tem que prosseguir com a família que existe hoje (cada um pro seu lado); pois aquela nunca mais voltará (amorosa, carinhosa, porto seguro). A segunda coisa que percebe, é que tem um nível intelectual muito elevado para a escola municipal em que trabalha; pois chega sempre com renovação para melhorar o ensino abrangendo pais e alunos e é sempre podada de colocar em prática os projetos. A psicóloga diz, que está escola municipal, não está preparada para tanta informação que Letícia despeja de uma vez. Depois de um mês e meio de tratamento, Letícia deixa de ir a psicóloga.
                O grupo de Teatro Revolution, tendo como diretor Marden Pereira, faz parceria com a Cia Teatral Luccheze, onde arrebata quatro atores (Jeferson Barbosa, Laysla Braga, Letícia Luccheze e Josy Vieira) para a montagem da peça "Quem te viu quem TV" de Hugo Zorzetti.
                Ganhar o coração de Letícia, é fácil, porque apesar dos pesares, ela sempre está propícia ao amor. O difícil mesmo, é o caboclo ser capaz de permanecer dentro dele.
                Sempre foi apegada as coisas de sua mãe, dando até a sua geladeira nova em troca da velha dela. Entre os dias 11 e 15 de novembro, vinha tendo de dois a três pesadelos por dia, a maioria com sua mãe, onde sempre chorava. Nunca lhe havia acontecido tantos pesadelos, em um mesmo dia e num curto espaço de tempo. No dia 16 de novembro, ela entendeu o motivo dos pesadelos, era porque algo estava acontecendo. O que acontecia? Seu pai ligou e comunicou que havia vendido o carro de sua mãe; ou seja; nos dias de pesadelo ele negociava a venda do carro.
                No dia 17 de novembro, o repórter Victor Hugo de Araújo vai até o colégio estadual Cora Coralina e entrevista os atores da Cia Teatral Luccheze, para a publicação de um jornal do referido setor. Sendo eles os integrantes da primeira companhia de Teatro da Vila Redenção.
               
Josy e Letícia, pensam em transformar a casa da sua mãe, em uma escola de Artes. Com o passar dos dias o pensamento de esvai. Mas Letícia o concretiza em 2013.
                Letícia é uma pessoa de mente aberta, com queda para o lado artístico e criativo. Com personalidade marcante, conquista todos a sua volta com seu charme e bom humor, mas pode ser muito feroz quando pisam no seu calo.
           
Após 20 anos de enxaqueca, descobre que ela desencadeia, não é só pelo leite e seus derivados (chocolate, iogurte, queijo etc.), mas também pela excesso de claridade. Descobriu isso, ao ler um artigo de uma revista na casa do seu pai. Por isso que a enxaqueca desencadeou, ao olhar para o alto de dia e com a luz do celular, sendo ligado. A enxaqueca causa perde de visão de um dos olhos, dormensa no rosto e mãos, perda momentânea de memória. E depois de trinta minutos volta tudo ao normal e a cabeça racha de doer.
                Nunca foi tanto ao médico, como nesse ano, nunca gastou tanto em remédios, como neste ano, nunca se ausentou tanto do trabalho, como esse ano, nunca teve tantos problemas de saúde, como neste ano. Mesmo assim, nunca deixou te ter Deus em seu coração. Apesar de ter sido, acarretado de enfermidades, foi um ano profissional ótimo tanto na rede estadual de educação como na municipal. 
                Família pra Letícia, é um grupo pequeno de pessoas, em que uma se preocupa com a outra, zela e cuida. Ela não tem família, não tem ninguém que se preocupe, que zele, ou que cuide dela. Está só, desde a morte de sua mãe; pois o pai e as duas irmãs pouco se importam com ela, pouco não, nem se importam. O pai e as irmãs, se tornaram parentes. Está sem ninguém e sem nada. Se machucar não tem pra quem ligar, se chorar não tem quem lhe enxugue as lágrimas, se ficar feliz não tem ninguém para compartilhar a felicidade. Ela tem carência de família. Em um momento, tentou ver se podia fazer parte do novo casamento do pai, mas percebeu que lá, ela não pertence.
                No dia 19 de dezembro, Lilian, prima de Letícia, lhe dá um sabão a respeito do seu pai, da sua irmã Gabriela e de seu sobrinho Matheus, em que ela deveria ir na casa de seu pai conhecer o sobrinho. O engraçado é que não foi ela, quem pisou e magoou e sim a irmã Gabriela e é o pai que a esqueceu com o novo casamento. Após o sabão, ficou pensando e chorou aos prantos. Resultado: na mesma noite, teve calafrios, fortes cólicas e febre. Teve por uma semana labirintite, enxaqueca e febre. Conclusão: o médico já havia lhe dito que a labirintite é desencadeada por questões emocionais, agora a enxaqueca, a febre, a dor no corpo, essa é novidade; ou seja; não pode se emocionar ao ponto de chegar aos prantos, porque se não, desencadeará nela toda essas enfermidade. Letícia concluiu, que Deus a estava dobrando pra ir ver sua irmã e os parentes de parte de mãe. Então no dia 25 de dezembro, ela foi almoçar com o seu pai, sua esposa Helena, a irmã Gabriela, o sobrinho Matheus, o cunhado Jaques.
                 No dia 29, a Cia Teatral Luccheze fez uma apresentação remunerada, na festa da virada de ano, da família de sua mãe e quem iria era a Josy Vieira. Letícia acaba passando os dias 29, 30, 31 e 1 de janeiro, junto da família de sua mãe na chácara Recanto da Amizade.

 

 

 

                2008 - Letícia, aproveita a vida em sua essência, por isso é feliz. Ela não é de sofrer, por problemas e ansiedades.
               
No final do ano passado, a coordenadora junto com a diretora, pediu para que em 2008, desse aula de Teatro e Música. Já no planejamento em janeiro, foi comunicada que também daria aula de Dança. E em meados de fevereiro a secretaria de educação municipal, a capacitou para que também desse aula de Artes Visuais, dentro do projeto Museu Arte Jovem. Conclusão: iniciou o ano de 2008 dando aula em quatro gêneros das artes: Teatro, Música, Dança e Artes Visuais.
                Neste ano, vai em várias especialidades médicas como ginecologista, endocrinologista etc.. Pela primeira vez, seu exame de sangue, não deu anemia desde que vive sozinha, sem a mãe.
                Foi ao dermatologista, porque os raios do sol voltou a manchar a sua pele.
                Foi ao oftalmologista, para fazer um óculos  de sol com lente de grau, que será um óculos contra claridade; pois o excesso de  claridade, aciona a enxaqueca.
E em 14 de janeiro, sai do oftalmologista, com óculos escuros e de grau.
                Foi ao n
eurologista, para fazer ressonância magnética da cabeça, devido a um dor de cabeça especifica e a falha na memória. Na adolescência, ao Letícia terminar de rezar a Ave Maria e o Pai Nosso, ela não sabia se já tinha rezado e rezava de novo. Queixou para a sua mãe, da falta de memória que juntamente com o médico riram e falaram que era falta de atenção. Na Juventude, nos 30 minutos iniciais da enxaqueca tem ausência de memória, que esquece o nome daquele aluno mais indisciplinado que ninguém esquece. Hoje, por vezes, não se lembra do telefone de casa, faz o mesmo percurso de ônibus a anos e por vezes, não sabe onde está. Fora que tem que ver a pessoa umas 4 vezes (prosopagnosia, ou informalmente), para identificá-la na rua. No neurologista falou de tudo isso, falou da dor de cabeça e de que a irmã mais velha tem aneurisma. Fez ressonância do crânio no dia 21 de janeiro, bom, aneurisma não tem não, as veias estão todas normais, a dor de cabeça segundo a médica é porque ela não pode fazer esforço. Agora, no exame, deu uma coisa que a médica não esperava. Letícia está com lesões múltiplas hiperintensas no
Lobo Temporal. E o Lobo Temporal é a estrutura central responsável pelo gerenciamento da memória, localizado no centro do cérebro. Não preciso dizer mais nada. E quando, falou para essa médica sobre a questão da memória, ela deu umas risadinhas.
                Em 26 de janeiro, promove o II Encontro Entre Amigas.
                Escreve o primeiro texto se referindo aos sexos opostos e a Bíblia: O que não está em mim, está no outro e o que não está no outro, está em mim.


    Letícia Luccheze em meio a alunos de Teatro.

 

 

                Já escreve para o Jornal Portal (Goiás) e no início de março, é convida também para escrever para o Jornal Goiás Agora - A voz da terra.
                Em 6 de março, recebe a visita da irmã mais velha e esquece o nome da própria irmã (Heliana). Sempre tem falhas na memória, em um momento esquece como usar o celular, e em outro lembra, esquece o nome da irmã e em outro lembra. Hoje são apenas falhas e o que será do amanhã? O negócio, é se de falhas passarem a permanentes. Em 16 de março, percebe que anda trocando as letras ao escrever; pois não se lembra ao certo, como se escreve e acaba escrevendo errado; inclusive artigos para o jornal. Ainda bem, que nessas horas, o computador socorre identificando os erros. Mesmo com as lesões no cérebro, na região da memória, optou por continuar vivendo de forma normal, intensa e prazerosa. Porque a vida, é muito mais do que isso. A vida é o sol, que toca a nossa pele de forma aconchegante, é o vento que beija nosso rosto e é Deus à frente de tudo isso e a frente de nossas vidas. Queria esquecer algumas coisas e Deus é tão bom, que está providenciando que ela esqueça. Ainda pensa em estudar mais, mas duas amigas aconselharam a deixar de lado, já que vai esquecer tudo mesmo.
                Nos domingos de manhã, dá aula de Língua Portuguesa e Sexologia no projeto Escola Aberta, na escola municipal em Tempo Integral Marechal Ribas Júnior.
                Em abril, é contratada por Chester Vinícius, para dar aula de Teatro, em um curso de Oratória, no mês de maio e também para inserir cenas teatrais e musicais em uma palestra de Oratória.

                                          

 

 

                Em maio, através da amiga Josy Vieira, conhece Marcélio Barros. Uma semana depois, os dois começam a namorar. Após as férias de julho, dá início a licença prêmio, no dia 1 de agosto ao dia 31 de outubro. Escreve a primeira novela Seio materno, que vira curta-metragem, com o título "PrAnTo NeGrO". O curta foi gravado nos dias 29 e 30 de novembro. O elenco do filme é composto por atores da Cia Teatral Luccheze, atores convidados e atores de outras companhias que vencerão a seleção realizada no dia 11 de outubro.
                A conta de água, luz e I.P.T.U. já estavam em seu nome e
m outubro, para ficar livre de vez, de Letícia; seu pai te deu uma intimação, que ela tinha até o final de dezembro para passar a linha telefônica para o seu nome também, se não ele iria cancelar. Toda vez que seu pai  ligava, era só pra isso. Isso fez, com que do dia 20 de dezembro, ao final de janeiro de 2009, eles não se falassem. Até que ela liga, ao saber que uma camionete passou sobre as pernas do seu pai.

 

 

 

                2009 - É romântica e amorosa, muito atenta às necessidades de sua família e as do próximo. Possui grande interesse, tais como na escrita. Tenta ser atenciosa e disponíveis à todos, mesmo quando está sobrecarregada com mil compromissos.
               
No dia 17 de janeiro, é realizado o III Encontro entre Amigas, tendo a participação de Brayan Kristhian, o ator do filme PrAnTo NeGrO e filho de Elaine Medeiros.
                Depois
de ficar quinze anos, na escola municipal em Tempo Integral Marechal Ribas Júnior, a corja conseguiu uma maneira de fazer com que ela pedisse remoção. Como podem ter conseguido colocar a disposição, a professora que tinha mais tempo de rede, na escola toda e ainda, ela ser a melhor professora de Teatro da rede?? Letícia não revelou como eles conseguiram isso, ou se no final, foi ela que cansou e quis ir embora. Foi então para a escola municipal Hebert José de Souza. Antes pegava só um ônibus para ir para a escola, agora com a remoção, levanta às cinco da manhã e pega quatro ônibus por dia. E isso ocasionou, que em fevereiro indo para o ponto de ônibus, pegar o primeiro ônibus, tendo como destino a escola, um tarado tenta abordá-la, uma semana depois, próximo do local é assaltada. O mesmo assaltante, tenta abordá-la uma semana depois do assalto. O mesmo assaltante, entra em sua casa, uma semana depois. Desde aí, começa a ter dores no peito, em meio ao medo e passa de forma literal, a ficar trancada em casa e sair à noite, nem pensar.
                No dia 8 de março, toma posse no centro cultural Goiânia Ouro, como uma das diretoras da F.E.T.E.G. (Federação de Teatro do Estado de Goiás).

  
 

 

 

                Realizando uma análise grafológica da letra de Letícia temos: ela mostra como é, é autoritária, culta, reservada, intuitiva, acolhedora, cautelosa, cordial, perfeccionista, discreta, cooperativa, vivaz, analítica, tem bom controle, líder, introvertida, entusiasta, observadora, conhece seus limites, criativa, receptora, perceptível, sensível, simples, seletiva, dinâmica, sincera, flexível, equilibrada, objetiva, compreensiva, independente, deseja viver longe da sociedade.
                Em meio a conversa com a Delva, a irmã de sua mãe, Letícia diz a tia, que o pai não liga com frequência, porque ele agora é casado e tem outra vida. Mas a tia a lembra, que para Gabriela ele liga quase todos os dias. Sempre soube disso, ela apenas evita de falar, ou pensar sobre, para não ficar triste. O mesmo acontece quando vai na casa da vizinha Luzmari, quando chega no assunto pai, a vizinha sempre lembra, que ela e os vizinhos comentam que o seu pai nem quer saber se ela está bem, ou não. Letícia sempre soube disso, apenas evita de falar, ou pensar sobre para não ficar triste e assim continuar vivendo.
                No início de maio, se retira da diretoria da F.E.T.E.G.; por encontrar coisas erradas, como os demais diretores favorecerem, alguns grupos de Teatro e outros não e por fazerem reuniões ocultas sem a sua presença.

                No dia 10 de maio, fica noiva de Marcélio Barros e o noivado juntamente com o namoro se rompe no dia 19 de junho. Foram vários motivos que levou Letícia ao rompido. Vou citar apenas dois pra você: 
                            1.Marcélio queria ganhar dinheiro em cima de uma estória que Letícia escreveu Seio materno, que virou curta-metragem com o título PrAnTo NeGrO
                            2.Marcélio queria tirar os direitos autorais de um conto de Letícia; o qual ela dedicou a ele titulado: Transbordando de ti. Letícia dedicou o conto a ele. Letícia já se envolveu com homens safados, mentiroso, acomodados, aproveitadores; agora de querer ganhar dinheiro em cima de seus textos, esse é o primeiro.
                As férias de julho foram as mais repousantes, que a licença prêmio tirada de três meses o ano passado. Isso porque, não tinha mais as encheções e cobranças de um namorado.
               
Letícia sempre tenta compreender as coisas, as pessoas e os fatos. É investigativa e persuasiva em relação aos valores, usando como armas para atingir esse objetivo. Quase sempre vive no presente, pouco se preocupando com o futuro, sendo normalmente líder em qualquer situação, ou grupo. Por ser naturalmente bondosa e emotiva, normalmente é presa fácil dos inescrupulosos.
                Dia 18 de setembro, o lado profissional de Josy Vieira com Letícia Luccheze é rompido, seguido pelo lado pessoal. Terminando uma amizade de quase 10 anos. O motivo, que Letícia considerou como o término, não só do lado profissional, mais também da relação de amizade; foi Josy não estar nem aí, de Letícia e o elenco ficarem  a tarde toda ensaiando, para uma apresentação no teatro Marista que poderia não ocorrer. Para Letícia ela simplesmente foi má.
Em 2010 à 2012, entra em contato várias vezes com Josy, para realização de trabalhos, o que é sempre rejeitado por ela. Deste aí, Letícia aceita, que ela agora, é parte do seu passado.
                Dia 22 de setembro, estréiou no teatro Goiânia Ouro a primeira peça teatral da Cia Teatral Luccheze, titulada Pintando o 7 em 6 capítulos.
Peça teatral cômica tendo no elenco: Aldiny Muller, Jeferson Barbosa, Thamyres Sampaio, Sallo Moura, Guilherme Siqueira e Ygor Soares.

 

 

 

                Dia 25 de dezembro, almoça na casa de seu pai, juntamente com sua irmã Gabriela e seus dois filhos. Foi a primeira vez que Gabriela não tocou a respeito da casa de sua mãe.

 

 

 

                2010 - Seus amigos a valorizam por sua capacidade de quebrar limites.
               
Em janeiro, realiza o IV Encontro Entre Amigas, mas devido a falta de interesse e compromisso de muitas participantes, encerra este como o último.
                No dia primeiro de janeiro, juntamente com Rafael de Jesus Martins e Cristyane Leal, abrem juntos uma empresa cultural titulada  Associação Martins Leal Monteiro Luccheze - Artes Integradas.
                Desde o rompimento do último namoro, não namorou ninguém. Interessados sempre teve e tem, só que ela diz não pra todos.
                                *Diz não, porque são muito mais jovens que ela (18, 20, 23 etc.);
                                *Diz não, para os que não tem emprego (ela não vai sustentar homem);
                                *Diz não, para os autônomos (água, luz vence todo mês e a barriga ronca todo dia. E autônomo só ganha quando tem trabalho, se não tem fica a toa em casa e sem dinheiro);
                                *Diz não, para os comprometidos (casados, noivos, namorando);
                                *Diz não, para os que são mais baixo que ela (não dá; pois na hora do ato sexual, o rapaz tem que parar para subir até a boca da mulher, para beijar);
                                *Diz não, para os acomodados e interesseiros financeiramente ou sexualmente;
                                *Diz não, para os doentes sexuais (com distúrbio paralínfico);
                                *Diz não, para os galinhas, os infiéis, os sarados, os avantajados, os ateu;
                                *Diz não, para os homens que só querem ficar e a veem como um objeto sexual.
                Eita! Será que nisso tudo, sobrou algum homem? Letícia está se acostumando a ficar só e dedicando todo seu tempo, ao trabalho no Teatro na escola municipal e na estadual, ao trabalho na Cia Teatral Luccheze, ao trabalho na área Audiovisual, o trabalho na escrita e na Associação Martins Leal Monteiro Luccheze - Artes Integradas. Acredito que Letícia
vá morrer assim. Trabalhando, sozinha, sem filhos e família.
                Em fevereiro, inicia as gravações do seriado em 20 capítulos titulado Escola de Teatro. Filme este, escrito e dirigido por Letícia Luccheze, que trata sobre
adolescente que sonha em ser ator; quer seja ele de teatro, cinema, ou T.V.. A trama se passa dentro de uma escola de Teatro, no estilo de internato; ou seja; os alunos  moram e estudam na escola por um período de um ano, tempo de duração do curso de teatro. Escrever o seriado rendeu a Letícia um livro de mais de 300 páginas.

 

 

 

                Faz oito anos, que sua mãe morreu e ela chora em prantos até hoje. Na época, se sentia incapaz, porque não tinha dinheiro pra ajudar no hospital. E quem pagou a conta, foi seu pai e sua irmã mais nova. A única coisa, que fez, foi ficar com a mãe no hospital e ela achou e acha até hoje que foi pouco. Se sente incapaz por não ter ajudado financeiramente.
                No dia 27 de maio, a peça cômica Goiás de Ouro, baseada em fatos reais, foi apresentada às 20 horas, no teatro Ouro, com sua direção.

 

 

 

                Faz dobra na jornada de trabalho, na rede municipal de educação de Goiânia, na escola municipal Getulino Artiaga, no período noturno. Trabalha agora em três escolas, além de dirigir a Cia Teatral Luccheze em meio ao Teatro e a área cinematográfica. Ah, se o médico fica sabendo que ela aumentou a carga horária de trabalho.
                No dia 20 de maio, a rede municipal de Goiânia entra em greve e Letícia se dedica 80% ao seriado Escola de Teatro; pois os outros 20% é dedicado a um curso de Teatro ministrados aos sábados.
                É
conservadora, espontânea, gosta de agradar aos outros, tenta aproveitar a vida ao máximo. Gosta de ajudar e valoriza a confiança, a empatia e a cooperação.
                Pinta os cabelos de preto e por volta do mês de agosto surge no pé esquerdo esporão calcâneo. Geralmente o
esporão de calcâneo surge em pessoas que praticam atletismo, em quem trabalha muito em pé, em quem tem pés chatos e quem está acima do peso. A pessoa apresenta dor na parte posterior plantar do pé. Esta dor ocorre principalmente nos primeiros passos, quando levanta-se da cama pela manhã. Quando consegue colocar esse pé no chão, caminha sempre na ponta dos pés, devagar e por vezes mancando.

 

 

 

                2011 - Letícia é uma pessoa muito persistente e sempre mantém suas promessas, tratando seus amigos muito bem. Se coloca no lugar dos outros; pois sua empatia a faz compreender as ações dos demais. É comum que pessoas a procure para pedir conselhos, ou até mesmo para confiar segredos importantes.
                Pela segunda vez, crta os cabelos nos ombros. Ela queria mesmo era rapar a cabeça e as sobrancelhas. Está com essa vontade desde o ano passado.
                Dobra mais uma vez a carga horária, na rede municipal de Goiânia na escola municipal Grande Retiro. O que a faz pegar dez ônibus por dia.
                Em junho, depois de assistir uma peça de Teatro, resolve começar a escrever críticas teatrais (Erro e acerto no espaço cênico) e divulgá-las no meio teatral e nos jornais do estado de Goiás. Isso tudo por cansar de ver erros cometidos por atores no palco e não tem como pagar caro pra assistir porcaria. Essa nova atividade de escrever crítica, lhe rende no meio teatral respeito, sabedoria, temor e raiva de alguns.

                                                                   
                                                                             Gabriela Luccheze e família em visita a Letícia.

 

 

                Pela segunda vez, fica um ano sem beijar na boca e sem fazer sexo. Isso tudo é devido aos tipos de homens que a rodeia. Mentirosos, aproveitadores, infiéis e cia.
                No início de setembro, cansada de ser xingada por alguns alunos e ameaçada de agressão física, em dois de setembro deixa a dobra na escola municipal Grande Retiro. Ficando agora com o dia todo livre para dedicação exclusiva a escrita. Em mesmo mês, com o objetivo de reduzir gastos, Letícia cancela uma das linhas telefônicas e a atriz Aldiny Muller vem morar em sua casa. Dividindo em três as despesas residenciais. Agora é a casa das três mulheres: Lilian Brasil, Letícia Luccheze e Aldiny Muller.
Um mês depois, Aldiny Muller volta pra casa dos pais e o que provocou essa volta, também rompeu com o lado profissional entre Aldiny e Letícia e a amizade delas também se foi. Outra amizade de mais de 7 anos.
                A memória da Letícia é assim: sexta-feira, dia 14 de outubro, foi comunicado que na segunda-feira, dia 17, não haveria aula. No sábado, Letícia se preparava para a aula do dia 17 e no final desse dia, lembrou que não tinha aula. Na tarde de domingo dia 16, ficou  chateada, porque o domingão estava acabando e amanhã, dia 17 teria aula. No domingo à noite lembrou que não haveria aula na segunda. Com medo de sair pra escola, imprimiu vários papeis escrito que dia 17, segunda-feira; ou seja; no dia seguinte, não haveria aula e pregou em vários lugares da casa. É, isso são as lesões em seu cérebro dizendo: Oi, estamos aqui!.
                Seus
cabelos, estão ficando cinzas e até segunda ordem os deixarão assim.
                Não se sabe se é castigo, ou não, mas o ex marido Rafhael Leandro da Silva, desde o começo deste ano, vive cercando ela e a pressionando a ter um relacionamento.
                Ocorre o primeiro desacordo sério, entre Letícia e Lilian (sua prima que mora junto com ela). E quem acendeu a chama, foi o namorado de Lilian (hoje marido dela). No meio disso, Lilian enviou uma mensagem via celular pra Letícia, dizendo que Letícia não quer a felicidade dela. Com isso Letícia, não foi no noivado de Lilian, alegando pra ela, que não é legal ter em um momento de alegria uma pessoa que não quer a sua felicidade. Conclui, dizendo a Lilian, para arrumar outra madrinha de casamento.

 

 

 

                2012 - Letícia é atenta a tudo, tem pouca ambição.
                Virou o ano e na primeira semana de janeiro, aparece em suas pernas pintinhas vermelhas. Como se tivesse pegado uma canetinha vermelha e encostado a ponta dela por toda as pernas. O dermatologista só podia atendê-la, daqui a um mês, então vai na casa de sua prima Lilian e faz uma consulta informal, com o seu noivo que é médico. Conclusão: está com má circulação nas pernas, devido o excesso de peso e ele indica ela a fazer caminhada. Lilian, através de seu noivo, oferece a  uma cirurgia gratuita, para colocação de um balão gástrico, com o objetivo de perda de peso. Letícia só é a favor de emagrecimento em caso de saúde. E depois de 39 anos sendo gorda, a sua saúde deu um grito. É, era realmente hora de perder peso devido a saúde e não a estética, ou para ser aceita na sociedade da magreza. Não deu resposta sobre a cirurgia oferecida; pois não é a favor de uma ação radical (cirurgia) se nem nunca fez regime. Ela acredita, que uma intervenção cirurgia para perda de peso, é para aquelas pessoas, que tentaram de tudo e mesmo assim não conseguiram perder peso. O que não era o caso dela. Então começa fazendo uma caminhada de 5 km por dia, de segunda a sexta e reeducando a sua boca. Pois a gente deve comer para viver e não viver para comer. Só não caminha no domingo, porque não sai de casa; pois se saísse, caminharia também. Nisso, vai a um ortopedista devido a uma distensão que teve numa aula prática de Teatro exercício.
                Foi a um ortopedista e ele disse que ela não pode fazer caminhada, por causa do esporão de calcâneo (é uma inflamação que dá no calcanhar; o qual dói muito, se tocado no chão). Brava, porque o médico não conhece sua vida, sua vivencia e suas necessidades fala: Não vou parar de andar não. Eu ando devagarzinho, ando no ritmo que consigo, mais eu vou. O médico volta a falar, que para perca de peso a caminhada tem que ter um ritmo acelerado e pela segunda vez, responde: Eu ando no ritmo que eu quero, a perna é minha, o pé que dói é meu. Não sei se é cômico; pois ela precisa caminhar devido a má circulação nas perdas e não pode caminhar devido o esporão no calcanhar. É a mesma coisa, dela ter que tomar leite por causa de uma futura osteoporose e não poder tomar leite devido a enxaqueca provocada por ele. O ortopedista então retira o bloco pra receitar pra ela fazer fisioterapia, para amenizar a dor no calcanhar devido o esporão. E lá vai ela de novo e pergunta se isso vai fazer ele parar de doer, e o médico diz que não. Então ela diz, que não vai fazer nada e brava assim, sai do consultório e faz sua caminhada de 5 km. Cinco meses depois disso, com a ajuda de Cristo, continua na caminhada de 5 km por dia, na educação alimentar e já perdeu 30 quilos.    
                Em julho, ocorre o segundo desa
cordo sério entre Letícia e Lilian e quem estava novamente no meio do desacordo era o noivo (futuro marido) de Lilian. Com isso, Lilian vai embora e passar a morar na casa do noivo. Com todos os ocorridos, se rompe aí, uma amizade de mais de trinta anos. Letícia começa a perceber que de dez amigos, parece que um a um estão se indo e que nesse ritmo, ficará sem nenhum. Por isso no aniversário da amiga Izabel Cristina, dá um livro e no seu interior escreve: ...espero que nós, fiquemos distantes o suficiente, para que a nossa amizade não se rompa. Isso, porque Letícia acredita, que um dos motivos do rompimento da amizade entra a Josy, a Aldiny e a Lilian, foi o contato direto.
               
Liga a T.V., pra assistir filmes no D.V.D. e vem observando desde maio, uma oscilação na audição. Às vezes no volume 25 ouve normal, em outros momentos, têm que colocar no volume 60 para ouvir normal. Fora que algumas amigas, já chamavam a atenção de Letícia pelo volume da T.V. estar muito alto. Ela deixa pra ver isso depois, até que em julho, depois de um tratamento de dente, todos os dentes superiores começam a dor. Retorna no dentista com dor e chorando, o dentista examina tudo, tira raio X de tudo e diz que ela não tem nada e a encaminham para um  otorrinolaringologista. Letícia vai no médico e aproveita e fala da oscilação na audição. Faz um série de exames e conclui que os dentes doloridos é por conta de uma inflamação no seio facial direito, justo o lado que os dentes doem e isso foi provocado por alergia a poeira. A medica falou para que ela usasse máscara ao tirar poeira, ou limpar casa. E a oscilação na audição a médica disse que ela tem otosclerose (é uma doença do ouvido médio, que causa surdez progressiva. Está doença pode ser  hereditária, ou por motivos de má formação fetal). A médica diz, que alguns pacientes, já com essa perda de audição, passam a usar o aparelho auditivo. Desde a adolescência, o ouvido de Letícia, já dizia que ela tinha essa doença. O ouvido dizia isso, através de zumbidos. E o zumbido de acordo com a médica é um sintoma da otosclerose. Perguntou para a tia Delva (irmã de sua mãe), se tem alguém da família, da parte materna, que é surdo e ela respondeu que não. Conversando com a Gabriela (irmã mais nova) ela disse, que também tem perda auditiva e que o pai delas também tem. Então no caso de Letícia, é hereditário. A médica concluiu que com o tempo, ela terá uma surdez total em ambos os ouvidos e o quadro sofre um aceleramento se ela engravidar. E este é o segundo médico, nessa especialidade que manda ela ir a um psiquiatra. Foi a primeira vez, chegou até a marcar essa segunda, mas desmarcou, por não acreditar que os remédios deles, só deixam inativo o corpo; pois a alma, o pensamento não se trata. Então começa a consumir dois medicamentos naturais, para o auxilio no combate de ansiedade e depressão e começa a fazer meditação três vezes ao dia.

 

 

 

                2013 - Gosta de planejar tudo e ter tudo sob controle, o que a faz sempre atingir seus objetivos. Sempre fica calma e equilibrada, não importa o que aconteça. Também em matéria de amor, é capaz de analisar os sentimentos da outra pessoa objetivamente, e não se deixa levar por emoções.
                Na primeira aula do curso de Teatro desde ano, no colégio estadual Cora Coralina, a diretora vigente, Robélia, comunica, que não quer mais Teatro no colégio. Letícia lhe pergunta sobre o que fazer, com mais de vinte alunos e ela lhe responde se eles gostam mesmo de Teatro, irão onde quer que ela vá. Letícia expõe o problema para a turma e propõe ideias para resolvê-lo. Afinal, mexeram no queijo de todos (Quem mexeu no meu queijo -autor Spencer Johnson). A primeira ideia era continuar o curso no outro colégio o qual seria enviada; a segunda, era dar continuidade nas dependências da igreja católica Paróquia São José; o qual também os fiéis da igreja, teriam direito de fazer o curso; e a terceira ideia era levá-los para a sua casa. A secretaria de educação estadual, a enviou para o Instituto Educacional Emmanuel, onde ela não teve permissão para trabalhar no sábado e assim dar continuidade ao curso. Letícia foi então na igreja e não conseguiu conversar com o padre, em todas as tentativas. Perdida, ansiosa, pelas perdas de aulas que os alunos estavam tendo, ela corre então atrás da última opção. Faz três empréstimos, reforma e faz as adaptações necessárias na sua casa (casa da sua mãe) e abre o Instituto Hélio e Maria Auxiliadora; que fornece curso de Mágica, Teatro, Pirofagia, Origami e Sexologia. Assim, os estudantes de Teatro do colégio Estadual Cora Coralina continuaram seus estudos. E nessa adaptação, foi morar em um cômodo no quintal.
             Em agosto, publica o primeiro livro titulado Estâncias, livro este, contendo seus poemas e suas poesias. Na contra capa ela escreveu:
Poesia, poemas, versos, estrofes, ou estâncias não retratam apenas o sentimento de amor. Quem não tem o hábito de ler, deveria ter consigo livros de poemas. Pois este escritor denominado poeta, sintetiza os acontecimentos na sociedade e os feitos da humanidade. A essência do poeta é o sentir o invisível, aos olhos nus dos homens corriqueiros. E em ser poetiza, por vezes sou abarrotada de um sentimento, que como ar quente, corre por dentro do meu corpo. Este estando eufórico em se expressar, faz pressão à procura de uma válvula de escape, eclodindo de forma súbita em forma de versos, numa folha manuscrita de um rascunho. E assim as palavras ganham vida, à medida que meus dedos ágeis digitam na folha antes branca de um programa de um microcomputador. Letícia Luccheze."


 

                Em meio a toda a correria, na criação do instituto, José Sandoval Marques, ex-namorado, vai morar com ela. Ele passa a residir na outra casa que tem no lote, onde a Lilian Brasil (prima de Letícia) morava. E os dois começam a dividir as contas. No meio de reforma e mudança, algumas vezes, pede para o Sandoval que fique com os pedreiros, em outras pede que a ajude a pintar o muro e que vá com ela comprar cimento entre outras coisas. No meio dessas ações, promete em forma de agradecimento, a fazer massagem em seus pés. Eita, mais como é bom morar com ela. Só que uma coisa ocorreu que eu não sabia, que podia acontecer. Devido as atitudes de Sandoval (atencioso), Letícia começou a olhá-lo com outros olhos e ficou com-ple-ta-men-te apaixonada, ao ponto de lhe escrever os poema Enlouquecida de Amores e Sua presença. O estranho disso tudo, é que ela já tinha namorado com ele e não tinha sentido isso antes. Os dias passavam e ela infelizmente, ou felizmente chegou a conclusão, que Sandoval não é homem pra ela, sendo assim, ela também não é mulher pra ele.
                Devido a dores nas pernas, nos meses de junho e agosto, pegou táxi, todos os dias para ir trabalhar.  Devido a isso, deu entrada ao processo para tirar C.N.H. em setembro. Fez chorando; pois nunca teve interesse em dirigir. No mês de outubro, pergunta para o instrutor, se ele não devolve o dinheiro, porque suas pernas não doem mais. O instrutor riu e falou que ela deveria para de pegar táxi. Em sete de dezembro, reprova na prova prática. Ela não errou nada, só esteve em duas situações, que não tinha passado nas aulas com o instrutor e assim deduziu o que teria que fazer. Conclusão: deduziu errado, o que provocou a reprovação.
                Em 26 de dezembro, é inaugurado o Instituto Hélio e Maria Auxiliadora (I.H.M.A.), mas ele já vinha funcionando desde fevereiro.

                                           

 

 

 

                2014 - Quando não gosta de alguém, ela não é deselegante, nem desagradável, apenas evita a pessoa e se afasta dela.

    
Letícia fazendo panfletagem nos semáforos, sobre os cursos oferecidos no Instituto Hélio e Maria Auxiliadora.
De bruxa está o ator Marcus Zegers, de blusa vermelha o amigo Walter Júnior.
De palhaço está Sandoval, de mosquito da dengue está o ator Divino Morellis.

 

 

                Em janeiro, publica o segundo livro titulado Pintando o 7 em 6 capítulos. Este, é uma peça teatral cem por cento educativa; o qual já foi encenada pela Companhia Teatral Luccheze.

                Em oito de fevereiro, passa na prova prática do Detran. Ela queria ser como a sua mãe e passar na primeira, mas acabou sendo como o seu pai e passou na segunda.
                Rafhael Leandro (ex-marido) e Sandoval (ex-namorado) se prontificam a ajudá-la a encontrar um carro usado, pra comprar. Rafhael vai com ela na feira de carro usado no estacionamento do estádio Serra Dourada, mas não conseguem fechar negócio. Por fim é ele mesmo, que fecha um acordo em um Pálio branco do seu vizinho. Ele leva o carro para seu lava-jato e o lava dentro e fora e entrega a Letícia no dia 20 de março, justamente no mesmo dia, em que ela pega sua C.N.H. provisória na auto escola.
                Em momentos na direção, o carro apaga, dá coice, entre outros.
No segundo dia de direção, Letícia queria parar o carro, chorar e ligar pra alguém ir buscá-la; pois estava com muito medo. Chamou a amiga Izabel pra andar com ela pra passar o medo e a amiga disse não. Letícia ama congestionamento; pois se o carro apagar, ninguém vai buzinar; pois estão todos parados. Não sei lhe dizer o que é, ou o que anda acontecendo com o Rafhael e o Sandoval. Só sei que é ela ligar pra qualquer um dos dois, a respeito de algo do carro, que eles vão lá e solucionam a questão. Trocar o óleo, Sandoval vai lá, pega o carro e leva para tal. Fazer balanceamento, Rafhael vai lá, pega o carro e leva para tal. Levar no chaveiro para arrumar ignição, Sandoval vai lá, pega e carro e leva para tal. Levar para ver o problema de um dos vidros automáticos, Rafhael vai lá, pega o carro e leva para tal. Pois é, só sei que o trem está assim, hora um, hora outro, hora os dois. De assistência de ex, Letícia está ótima.
                Quase toda semana, o carro vai parar na oficina, quando não ia duas vezes na mesma semana. E de acordo com o comportamento do Rafhael, ele sabia da situação do carro e mesmo assim o vendeu para Letícia. Isso se não ganhou comissão com a venda. Com isto, ela finalmente corda o cordão umbilical com Rafhael. E já era pra ter sido cortando, a anos, devido o desfecho do casamento, mas ela não cortava, devido ele ser ótimo em informática e sempre arrumava seu computador. Mas o carro foi a gota d'água. Hoje ela não fala com ele e nem quer ter notícias, o que o divorcio não fez o carro fez. Hoje, quem arruma seu computar é o Silvajuanes (62- 39417834), um excelente técnico melhor que o ex.
                A metade do preço que pagou pelo carro, gastou concertando e finalmente da fase de ficar na rua já passou. Ela está na fase de se algo está com problema, dá pra voltar pra casa e no outro dia vai pra oficina. Quem ajudou muito ela nos momentos de apuro foi o Sandoval.
                Dia 30 de abril, um mês depois do dia da multa, vai a livrarias e volta toda feliz com trinta e sete livros pra casa.
                Viaja nas férias de julho e quem cuida da Hera e do Loro Max é a Fátima, irmã da Izabel Cristina. Fica uma semana em Caldas Novas, na casa de Heliana, sua irmã mais velha.

  
Heliana e Letícia em Caldas Novas.

 

 

                E passa uma semana em Natal, na casa de Gabriela, sua irmã mais nova e é a primeira vez que viaja de avião.

                            
              Matheus (sobrinho), Gabriela (irmã) e Hélio (pai).                 Seu pai e Helena (sua madrasta) de mãos dadas.
                                                                                           Todos em Natal.

 

 

                Enquanto que em Caldas Novas foi um descanso, já em Natal Letícia não via a hora de ir embora, devido as grosserias dos netos da Helena, sua madrasta e dos seus sobrinhos, filhos da Gabriela. Até ser xingada pelo sobrinho foi. Não entrou no mar, mas prometeu pra si mesma, que voltará e entrará no mar, só que não ficará na casa da irmã.
                Em dezembro, Heliana e o marido mudam para Goiânia, morando no setor Central.
                Letícia pede remoção do Instituto Emmanuel e é lotada na escola estadual Gracinda de Lourdes, escola em que sua amiga Izabel Cristina trabalha.
                A pedido de Letícia, Sandoval se muda para a Vila Nova e ela sai do quarto e muda para a casa onde ele morava.

 

 

 

                2015 - Letícia tem uma visão extremamente ligada ao seu cérebro e por isso é capaz de detectar e analisar situações muito rapidamente.
                Inicia o ano trabalhando em quatro escola; pois é lotada também no Instituto Maria Auxiliadora. Devido a isso, anda com um cansaço nunca sentido. Leva as atividades dos alunos pra casa, para serem corrigidas e sem tempo, volta com elas pra a escola. Traz e volta do mesmo jeito, traz e volta. Chega a conclusão, que não dá conta de fazer tudo e contrata uma pedagoga, para corrigir todos os exercícios dos alunos, das quatro escolas. Que chique, finalmente ela tem uma professora de apoio. A pedagoga contratada é a sua amiga Izabel Cristina, que passa também a trabalhar no Instituto Hélio e Maria, como secretária.
               
Divino Morellis, professor de Teatro, vem morar com Letícia, dividir as despesas e dar aula no I.H.M.A.. Ela continuou na casa, onde o Sandoval morava e ele foi morar no quarto onde ela morava. Em meio ao dia a dia, Letícia fica encantada; pois Divino se mostra um homem perfeito (cuidadoso, preocupado, lindo, tudo de bom). Chegou a amá-lo e a ele escreveu um poema.
                Em março, o mecânico comunica a Letícia, que o motor do carro terá que ser refeito. Gente, não é pra rir não viu. Esse é o carro que o ex marido vendeu.
                No primeiro bimestre na escola estadual Gracinda de Lourdes, ficou demasiadamente frustrada, porque a coordenadora junto ao regimento da escola, obrigou Letícia a subir a nota dos alunos. Nunca ela tinha sido obrigada a isso e se acaso a nota de uma aluno seu fosse alterada, ela era feita via conselho e pelo conselho. Sempre registrou o que o aluno produz, somente. Por conta disso, queria sair da escola; que colabora de forma direta para a marginalização dos jovens. Fora que, ao fomentar discussões dentro de sala como o tema Morte, Sexualidade, Trânsito, ela foi chamada na coordenação com a presença da diretora e foi proibida de falar sobre esses assuntos em sala. Ela que que faz a diferença na vida das pessoas de forma positiva, foi categoricamente podada, obrigando-a a ser comum como os demais. Para a coordenação e a direção, não importa se a aula está contribuindo para o crescimento de uma pessoa, não importa se a aula é excelente, não importa, se os alunos ficam ansiosos a espera dessas aulas. O importante é ser massante.
              Em julho, retifica o motor do carro, ficando em 3.000 reais e depois passa por uma revisão na parte elétrica. Arruma, arruma e ela ainda fica na rua com o carro. Em um dia, foi seu pai, que a socorreu na rua e chateado ele disse: O Rafhael foi muito corajoso em ti vender esse carro.
                Escreve e grava dois filmes: Seu maior inimigo e Na tua pele.
                Começa a fazer vídeos aulas, com o objetivo de acelerar o curso de Teatro, no Instituto Hélio e Maria Auxiliadora.

     

 

 

                Em novembro, a Hera (cachorra de muita estima) não quer comer, Letícia a leva na clínica veterinária e hospital Pluto, situada na avenida deputado Jamel Cecílio no Jardim Goiás. Ela faz exames e os veterinários dizem que ela não têm nada. Volta com Hera pra casa, que no dia seguinte não toca mais uma das patas no chão, se locomovendo aos pulos com três patas. Revoltada com o nada dos veterinários da clínica e hospital Pluto, liga e chama o veterinário da sua tia Delva; pois não quer que a Hera sofra e se acaso o que ela tem, a fizer sofrer, Letícia opta pelo sacrifício. O veterinário da sua tia vai em casa atender a Hera, a examina, a toca e descarta o que os outros veterinários falaram. A Hera tinha tudo, menos o nada que os veterinários da clínica veterinária e hospital Pluto disseram. O veterinário de sua tia, disse que a Hera é tratável. Essa palavra "tratável" fez Letícia lembrar, que foi a mesma coisa que o médico disse de sua mãe que morreu em seguida. Mais que depressa, Letícia compra os medicamentos da Hera e começa a dar a ela. Mas ela, em vez de melhorar, veio a piorar, ela que não comia e só se alimentava via seringa, parou também de beber água. A Hera que estava pulando em três patas, não andava mais e só ficava prostrada. Tudo que Hera ingeria via seringa como comida, água e os remédios, ela vomitava. Letícia achou um sapo no quintal e achou que era o causador do problema. Em choro, ligou mais de três vezes para tia, para pedir orientação ao veterinário. Era uma sexta-feira e o veterinário estava no interior e só voltaria no dia seguinte. Determinada, disse que no sábado de manhã ligaria para o veterinário vir sacrificar a Hera, para ela não sofrer. Ao levantar, foi no banheiro e seguida para Hera. Ela estava morta. Em prantos, a pega no braço e chora; pois a única coisa que não queria, era que ela sofresse e foi a que aconteceu. Imagina a revolta que ela está com os veterinários da clínica e hospital Pluto e com o veterinário de sua tia. Deixaram o amor dela sofrer até a morte. Sabe o que é estranho, na morte de sua mãe não chorou e na morte da Hera chorou aos prantos. É estranho e não é. Na morte de sua mãe, ela não podia chorar, porque todos choravam e se ela chorasse, quem é que ia tomar as providências. Então ela tinha que ser forte, enquanto seu pai chorava em prantos e os demais. Após a morte de sua mãe, a Hera ficou muito apegada a Letícia e Letícia a ela. Onde Letícia ia, a Hera ia atrás, até mesmo dentro do banheiro, lá estava ela sentava e a esperava. A Hera esperava Letícia chegar da escola no portão, até mesmo debaixo de chuva e sempre abanava aquele rabinho. A Hera era muito chique; pois comia a ração mais cara e carne (patinho). Era o amor e a vida de Letícia, era a única PESSOA que tia, que se importava com ela, após a morte da sua mãe. E a Hera está morta e morreu sofrendo por conta da incompetência de veterinários. O Rafael trouxe a Hera numa caixinha de sapato, que chorava, chorava porque não dava conta de sair da caixa. Uma coisa que doeu muito em Letícia, foi ao ligar para o Rafhael e dizer do estado de saúde de Hera, perguntou se ele não queria vim vê-la. E ele não veio. Letícia a enterrou no quintal, mas acha que está ficando louca; pois ouve os passos da Hera em casa, em um momento achou que ela podia estar viva e foi para o quintal e começou a desenterrá-la. Ouve um cachorro chorando e acha que é a Hera que está chorando debaixo da terra viva. Disse que nunca mais teria cachorro, porque a Hera é insubstituível.


Hera, o amor da sua vida.

 

 

                Letícia é tem um grande coração, é trabalhadora, atraente, com um charme único. Busca o melhor das pessoas e oferece ajuda quando elas precisam. Atrai pessoas especiais ao seu redor e alguns deles, permanecem seus amigos para a vida. Quando ama, ama com todo o seu coração e se dedica corpo e alma ao seu parceiro.
                Em dezembro, às 5 da manhã na B.R. 153, escuro e chovendo, ao levar Divino Morellis para um trabalho extra, um carro bate em sua bunda. Nem percebeu, que era um acidente. Ouviu um som e o carro apagou e não ligava mais. Ela só pensou que o barulho e o apagão ocorreu, pelo carro ser velho. Ao olhar no retrovisor que viu o outro carro parado amassado, aí sim, percebeu que fora um acidente. Pra falar a verdade, Deus foi muito bom com ela, não a deixando perceber que se tratará de um acidente. Porque a batida foi tão agressiva, que além da placa do outro carro ficar tatuada no carro de Letícia, o banco que ela estava quebrou. Percebe a presença de Deus? O conserto do carro ficou em 2.060 reais, teve que trocar o banco, o para choque e a porta do porta malas. Depois do conserto o carro ainda foi parar na oficina mais de três vezes e não foi por conta do acidente. Estupefata, cansada e se sentindo prostrada em relação ao carro, declara não ter mais condições emocionais de arrumá-lo. Comprou do ex marido por 9 mil e até então já gastou 15 mil arrumando.
                Heliana Luccheze, sua irmã, separa do marido e vem morar com Letícia e Divino. Ela se mostra egoísta e intolerante, fazendo só o que for para o seu bem individual, ignorando o coletivo. Letícia nem a reconhece como irmã e acredita que não a conhecia esses anos todos. Pra você ter uma base, Letícia falou que a casa não era mais casa e sim uma escola e que Heliana deveria ficar com ela no barracão. Mesmo assim, Heliana chegou no nível baixo, ao dizer que um terço de tudo ali era dela, e que ela ia ficar onde queria. Não faz comida, não lava louça que sujou, não cata o lixo que jogou no chão, não sabe trabalhar em grupo e aí vai. Se tudo estiver da forma que Heliana quer, então está ótimo se não for ela range os dentes, fecha a cara, altera a voz e fica agressiva. Ela passa praticamente 24 horas com o namorado no celular e depois de um mês, vai morar em Portugal.
                Letícia lva a primeira advertência da diretora da escola estadual. Motivo? Atraso em entregar as notas. Trabalhando em quatro escolas é bruto.
                Retrospectiva dos trabalhos realizados no ano de 2015 no Instituto Hélio e Maria Auxiliadora.

                                 

 

 

 

                2016 - Letícia é pacífica e amorosa. Embora não revele muito os próprios sentimentos, é uma pessoa muito sociável e de visão ampla. Além disso, tem a capacidade de controlar bem as suas próprias emoções. No amor, é muito respeitosa com a personalidade de quem está envolvida, preferindo uma abordagem compreensiva e moderna na relação entre o casal. Apesar de uma aparência muito tranquila, sua personalidade é decisiva e consciente de suas próprias capacidades. Tem espírito aventureiro e autoritário e é uma guerreira nata.
                E
m janeiro, inicia o ensaio da peça trágica Amor, vida e morte, de Divino Morelis. Desde o início do ensaio da peça teatral trágica "Amor, vida e morte", Divino não vinha tendo um relacionamento respeitoso, através de falas, expressões corporais, expressões faciais e ações. A mãe de Letícia uma vez disse a ela, que uma pessoa não consegue mentir por muito tempo. E no caso, aquele Divino encantado, homem perfeito, cuidadoso, preocupado, lindo e tudo de bom, é pura e mera encenação. Divino conseguiu manter o personagem por seis meses.
                O primeiro carro de Letícia, foi um Pálio completo (1997), que comprou em 2014. Quem vendeu foi o ex-marido. O ex, disse que se tivesse dinheiro ele comprava o carro pra ele. Precisando de um carro com mais de dez anos,  para não ter I.P.V.A. e nem parcelas a pagar. Porque um carro novo, se não der conta de pagar a parcela, o banco toma, já um usado, poderia ir arrumar a medida que necessitasse. Isso, se o carro não estivesse bichado. Pessoas falaram, que o carro não valia o que ela pagou, pessoas falaram, que o ex ganhou com a venda do carro, pessoas falaram, que o carro estava bichado. Ela pagou nove mil no carro e gastou quinze mil consertando. O carro é velho, mas o motor ficou zerado (foi retificado), junto com correia dentada, com o radiador, bomba de gasolina entre outros. O carro estava cheio de gambiarras, bico do injetor de gasolina colado com cola de sapateiro, pneu de câmera de ar de bicicleta, substituindo o cebolão etc.. Heliana sua irmã mais velha, disse que ex é bicho perigoso. Teve semanas que o carro ia pra oficina três vezes, e Letícia ficou na rua outras tantas. Mesmo assim, ela sempre achou o carro lindo e maravilhoso: pois ele a levava e a trazia do trabalho. E do fundo do seu coração, ela agradecia a Deus por ter lhe dado condições financeiras de ir arrumando o carro. E, em relação ao senhor Rafhael, o que traz alegria ao coração de Letícia é em saber que existe a lei da semeadura. “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Gálatas capítulo 6, versículo 7.” Foram dois anos, para que ela fosse restituída por Deus. Sempre conversava com Jesus Cristo e em meio a conversa, falou que se fosse pra ela comprar um carro novo, que ele lhe ajudasse nos transmites e que desse condições de pagar o veículo. O que o inimigo rouba, Deus te dá em dobro. Leia na bíblia, a história de Jó.
               
Em junho, por ainda não ter um relacionamento de respeito sustentável, Letícia pede que Divino se mude. Em agosto, Divino faz propaganda de um intensivão de Teatro, que não é feito pelo Instituto Hélio e Maria Auxiliadora, aí ocorre o desligamento dele do instituto (deixa de dar aula no mesmo).
                Letícia era um tipo de pessoa, que não saia de casa, sem no mínimo um batom na boca e cabelo preso era só em casa. Mas ela entra numa fase, chamada cansaço estético e está muito difícil sair dela. Mesmo com pessoas a identificando na rua, devido aos seus textos, seus trabalhos, ela não consegue sair dessa fase. Às vezes sai por dois dias e depois volta. Está relutando até hoje pra sair dela.
                Apaixonada pelas crianças do matutino, compra batom azul, verde, amarelo, roxo e começa a usar. Quando vai de batom azul, as crianças dizem que ela está de Avatar.
                Começa a fazer uso da voz, para divulgar atividades realizadas no Instituto Hélio e Maria Auxiliadora. 
                Em novembro, o relacionamento que ainda não era respeitoso de forma sustentável, entre Divino e Letícia chegou ao seu ápice. Pois Divino desde agosto, já estava falando mau dela e de seu trabalho via vídeo na Internet. Então, depois de mais de nove mil reais investidos na peça teatral trágica Amor, vida e morte, Letícia para a peça; pois ela mesmo disse: Nada  compra a minha paz.
               
Sai setenta por cento da fase cansaço estético e aposenta os sapatos masculinos e compra femininos, aposenta as roupas de senhoras e faz vestidos, longos, solto. É uma pessoa educada e com valores sólidos. Gosta de ter amigos de qualidade e celebrar juntos belos momentos. Gosta de aprender coisas novas, para redescobrir-se constantemente e gosta de viver experiências diversas e interessantes. Luta pelo relacionamento e faz qualquer coisa para fazer a pessoa amada se sentir especial.
                Participa de um sarau na casa do Fabrício Machado, que tem como objetivo, discutir sobre encontros culturais em 2017 e escreve e recita o poema Em ti. Os encontros culturais discutidos, serão mensais, no segundo sábado de cada mês. Letícia dá o nome de Respira Arte a esses encontros culturais e cria um slogan.


Slogan do Respira Arte.

 

 


Alguns dos presentes no sarau: Uemerson Martins, Adriano Santos,
Don Bismarck e Fabrício Machado.

 

 

                Participa de outro sarau, no I.H.M.A., onde escreve e recita o poema Até mais que deveria. E fica definido que, dia 14 de janeiro de 2017, na casa do Uemerson, será realizado o primeiro encontro cultural, titulado Respira Arte por Letícia.
                Os filhos da sua irmã a Gabriela, são agressivos, xingam todos e não respeitam nem o próprio pai. Geralmente Letícia os encontra uma vez por ano, em dezembro, na casa de seu pai a marra. Mas não sabe o que ocorreu com os meninos, eles estavam diferentes, estavam amáveis. Foram amontoando no colo de Letícia e a abraçando. Foi tão estranho que ela voltou lá três vezes.


Matheus, Letícia e Marco Túlio.

 

 

 

                2017- Sempre tem muito cuidado em pensar, antes de falar. As pessoas costumam recorrer a ela por causa de seus bons conselhos e observações precisas. Ela é uma grande juíza de caráter e seus instintos são sempre confiáveis. É uma pessoa estudiosa, analítica e tende a gostar de construir e elaborar. Ama criar coisas novas e ama um trabalho pesado. Valoriza a função ao invés da beleza e ama pensar em soluções inteligentes para problemas difíceis.
                A amizade com Josy Vieira é restaurada e ela começa a dar aula no Instituto Hélio e Maria Auxiliadora, de Teatro, dança do Ventre e balé infantil.
               
Os encontros do Respira Arte iam de vento em polpa. Letícia estava totalmente apaixonada por esses encontros e viciada nos meninos (Don Bismarck, Uemerson Martins, Adriano Santos, João Ferreira, Delva Maria, Ester Helena etc.). Em alguns desses encontros, João Ferreira declarava amor intenso por Letícia. João escreve uma música pra ela e canta no 5º  Respira Arte, na casa do Marcos Zegers.

 

 

 

                Letícia percebe que sua alma está doente, doente de solidão. Pois por vezes chora em prantos, sentindo-se só. E conclui que isso foi devido a longos anos distante de relacionamentos amorosos. Para combater a solidão, volta os contos eróticos para a Internet, coloca um aplicativo de relacionamento no celular e resolve namorar dois homens ao mesmo tempo (detalhe, ambos sabiam). Os dois queriam casar, conclusão: o namoro com eles não tirou a solidão, então ela termina com ambos. Estranho, como pode ela estar rodeada de gente, ter tantos pretendentes e mesmo assim a  sua alma adoecer.
                Letícia no 8º Respira Arte, na casa da Maraisa Carneiro, recita o poema Tu sabes o que é o amor?, que escreveu para João Ferreira, em homenagem a música que ele escreveu pra ela. Esse seria o último Respira Arte que participaria.
                No passado, teve um relacionamento de amantes de um ano, com Luiz Garcez. Os anos se passaram e ele sempre esteve em seu pé, para terem um relacionamento duradouro, dizendo que a amava, que ela era a mulher da sua vida. Se passaram mais de vinte anos. Então em maio, Letícia olha pra trás e resolve ter um relacionamento de namoro com ele. Dentro do namoro, Luiz não teve interesse  nos gostos de dela, não a acompanha em lugar nenhum e não a beijava na boca. Essa é pra rir, Letícia tem orgasmo no beijo e o cara não a beija. No namoro ele apenas se preocupava com sua satisfação sexual e ignora a de dela. Ele não a respeitva em relação a ser humano, quanto mais em ser sua namorada. Conclusão: ela termina o relacionamento; pois o cara disse que ficou atrás dela mais de vinte anos e a perdeu em dois meses de namoro. Acredito, que por ser filho único e ter sempre tudo o que queria, por não tê-la, ele insistia e quando conseguiu, a colocou de lado, como uma prêmio na prateleira.
                      Julho chegou e Heliana sua irmã que mora em Portugal, enquanto tomava banho, teve um derrame. Perdeu os movimentos do lado direito do corpo. Apesar de ter orientado a irmã, sobre os negativos de ir só, para um país estrangeiro; Letícia desaba a chorar diariamente, o que acaba com o seu emocional. Heliana fica um mês na U.T.I., sai e fica mais um mês na enfermaria.

  
Heliana no hospital, mesmo sem mexer o lado direito do corpo,
está sempre sorridente, agradecendo a Deus por estar viva.

 

 

                Entrou agosto, Heliana já mexe totalmente o braço direito e a perna está em fisioterapia.
                Dia 14, Letícia fez aniversário e no dia 16, Janelis Meirelles foi para a mesa de cirurgia. Sabes quem é Janelis Meirelles? É a menina de Letícia, foi sua aluna no curso de Teatro e hoje é professora de cinema no Instituto Hélio e Maria Auxiliadora (I.H.M.A.). Janelis, estava fazendo tratamento de um câncer no reto, com sucesso. E dia 16 de agosto, foi fazer uma cirurgia para retirá-lo. No dia anterior da cirurgia, Janelis estava tão feliz, tão alegre. Mas, na cirurgia, os médicos cortaram uma veia que não podia cortar, ocorrendo aí hemorragia interna. Não conseguiram parar a hemorragia e ocorreu a primeira parada cardíaca. A reanimaram com sucesso, a hemorragia não estancava e ocorreu a segunda parada cardíaca................................................................................................................................... Letícia chora até hoje, ficnado mais sensível a tudo ao seu redor e começa a olhar a vida com outro olhar e outros sentimentos.


Esta foto, foi Letícia que tirou no Instituto Hélio e Maria Auxiliadora.

 

 

Janelis Meirelles sempre:

 

 

 

O que Janelis Meirelles falava sobre Letícia:

 

  

 

 

 

                Não preciso repetir, que Letícia chora até hoje. Estudando M.P.B. com os alunos, encontrou essa música e a dedica para Janelis.

 

 

 

                Com o ocorrido com Heliana, resolve não esperar a vida e sim ir atrás dela. E vai ao encontro de João Ferreira, pra conversar sobre a questão daquele amor intenso. Ela nem precisou falar nada, ele ao vê-la já chegou a beijando.


Letícia e João Ferreira.

 

 

                Heliana começa a andar sozinha, como uma criança que está dando os primeiros passo. Vai para um segundo hospital e faz cateterismo na cabeça, foi feito dois terços e ficou de concluir em janeiro de 2018. Não concluiu tudo; pois o médico ficou com receio de ter muito sangramento. E devido ao cateterismo, volta a perder o movimento da perna direita e faz uso de cadeira de rodas. Fica internada no terceiro hospital para intensificar a fisioterapia na perna. Mora um ano no hospital para tratamento.


 
Heliana e seu marido Miguel.

 

 

                Letícia pedi a Cristo, que a cure de uma dor no tornozelo esquerdo, devido ter virado o pé. Essa dor a acompanhava a dois anos. E junto, pedi que a cure do esporão de calcâneo, se assim for a vontade Dele. O tempo passa e sem menos perceber, percebe que não tem nenhuma das duas dores mais. E assim agradece a Deus.
                No grupo do Whats App do Respira Arte, Don Bismarck, Uemerson Martins e Aline desrespeitam Letícia a um ponto extremo. A chamam de cobra, dizem que dela, só precisam dos equipamentos para o evento entre outras ofensas. Letícia fica pensando: Como pode? E eu abraçava um por um e lhes tinha amor. E é isso que sentiam por mim? E a conversa deles para ela, só piorava, pareciam que faziam questão de agravar a situação. Por amor próprio, conclui que sua participação no Respira Arte já deu e se afasta do evento cultural e de Don Bismarck, Uemerson Martins e companhia. Afinal, quem fica perto de cobras, acaba sendo picado e numa dessas pode vim a óbito. Estranho, falarem, pensarem e sentirem isso por ela.
                Antes do problema com o Respira Arte, Letícia havia falado para a sobrinha e os filhos de Janelis Meirelles, que iria fazer uma homenagem pra ela no 9º Respira Arte, que seria na casa do Don Bismarck. Como ela não iria mais no evento cultural, então fez a homenagem a Janelis na casa da Josy Vieira.

O QUE O TEATRO UNIU, SÓ DEUS SEPARA.
Letícia Luccheze.

   
                                                                                   AMOR a Janelis Meirelles.

 

                   
               Isadora sobrinha de Janelis.                                     Jordam e Vitória, filhos de Janelis Meirelles.

 

 

Homenagem a Janelis Meirelles:

 

 

 

                Letícia é diagnosticada como ninfomaníaca (mulher que apresenta um nível elevado de desejos sexuais em excesso e constante, incontrolável por homens. Não se satisfaz com um só ato sexual, sempre procura mais com o mesmo parceiro, ou até com outros. É insaciável, viciada em sexo). Muitos homens querem se relacionar com uma ninfomaníaca, porque podem fazer sexo quantas vezes desejarem. Só que esses mesmos homens, não veem o outro lado da moeda, em que se não derem conta dela na cama, ela procura outro, mais rápido que um piscar de olhos. Lá no fundo, Letícia já sabia que era. O primeiro a falar que ela era ninfomaníaca, foi Walter Jerônimo Júnior há dezessete anos atrás. Só que nunca havia levado a sério e ria. Pois agora, a coisa está ficando pra lá de séria. Além de estar caminhando para o último estágio do ninfomaníaco, que não seleciona homens e faz sexo com todos, independente do lugar e da hora. Também se agrava o seu masoquismo no sexo, onde começa a sentir prazer na dor em si e não tanto no ato sexual. Letícia sabe disso, tem consciência disso e luta contra isso, mantendo a fera presa. Porque se ela não conseguir se controlar, ninguém mais pode. 
                Em meio a um grupo de quatro amigos, se interessa por um e resolve seduzi-lo. Imagina só, quando resolve seduzir, se é, que ela precisa disso!  Pra falar a verdade mesmo, ele já estava seduzido e ela só quis intensificar, de forma que ele ardesse. Está bem, ele já estava totalmente e completamente seduzido e ela não tinha feito nada, ainda. Então ao perceber a situação dele, resolve intensificar o seu estado. Isso em um homem, em um grupo de quatro homens. Só que, quando eles se encontravam, sempre estavam juntos com os três amigos dele. E o que foi que aconteceu? Quando Letícia se deu conta, estavam eram os quatro seduzidos. Quatro homens seduzidos, quatro amigos seduzidos e Letícia no meio deles. Isso provocou olhares de vigia um com o outro e reações de ciúmes. E onde está ela no meio disso tudo? Justamente no meio de todos eles. Já parou pra pensar? Uma ninfomaníaca no meio de quatro homens seduzidos. Vou rir, pra não chorar.
                Sempre perde as chaves de casa, ou do carro, então comprou dois chaveiros que ao assobiar ele começa a apitar. Com eles nas mãos, riu sem parar, primeiro porque não sabe assobiar e segundo, porque vai ficar surda.

 

 

 

                2018 - Não gosta muito de falar, então muitos podem pensar que ela é tímida. A verdadeira razão é que prefere olhar à distância e analisar o que vê, em vez de estar no meio da ação. Honestamente, não se importa com o que as pessoas à sua volta pensam a seu respeito e prefere que os outros façam o mesmo. Faz suas próprias regras e as mantém, é independente e auto suficiente. Líder nata e naturalmente, sabe como convencer as pessoas a segui-la, a fim de alcançar um objetivo comum. Não tem medo de desafios. Na verdade, até gosta deles, porque lhe dão a oportunidade de mostrar o que ela pode fazer e se sentir uma vencedora. É muito competitiva e tem habilidades e estratégicas extraordinárias.
                Letícia enfia uma frase na cabeça: Se eu não mudar, nada muda. e assim resolve mudar. A primeira mudança, foi em relação ao relacionamento com os alunos, ela reconstruiu o muro que separa aluno de professor. A segunda mudança, foi em relação a aparência. Ela já tinha abandonado os sapatos masculinos e passou a usar apenas femininos. Agora ela encosta todas as saias e blusas e passa a usar apenas vestidos. Pela primeira vez na vida, ela passa a usar roupa justa. E pela primeira vez na vida, começa a tirar fotos de corpo. Passa fortificante nas unhas das mãos e retoma as unhas lindas e belas. Em seguida, compra anéis para o dedo anelar da mão esquerda. Creio eu, que ela está acordando a fera da prisão e se for isso e se ela a soltar,
ninguém mais vai poder segurar.
                Resolve aceitar todos os convites pra sair; o qual vinha rejeitando. Conclusão: fica em pane, não dando conta de organizar todos. Pra ter uma ideia, ela tem encontro marcado pra daqui a quatro anos.
                    Sua irmã Heliana, tem alta do hospital, depois de morar um ano lá. Com menos de dois meses em casa, tem o segundo A.V.C. e é internada em estado gravíssimo. Perdeu novamente os movimentos do lado direito do corpo, perdeu a fala, e tem falhas leves na memória. Com cinco meses no hospital, recupera 90 por cento da fala, não recupera os movimentos do lado direito do corpo e tem alta do hospital. Em casa, vai ao hospital três vezes por semana, fazer fisioterapia para o lado direito do corpo e fonoaudiólogo para a fala.
                C
ontrata a pedagoga e professora do I.H.M.A., Josy Vieira, para corrigir todos os exercícios dos alunos, das três escolas em que trabalha.
                Letícia se candidata a direção da escola estadual que trabalha, tendo como concorrente a diretora atual. Resolveu se candidatar, porque os alunos pediram e também pra fazer o diferencial.

                                

 

 

                Como a candidata rival, ainda é diretora na escola e a equipe responsável pela eleição, são funcionários da escola. Eles então, falam que Letícia tem 24h para entregar o plano gestor. Isso é contra as regras da eleição e é surreal fazer um plano gestor em 24h. Letícia pede ajuda a Almi, Josy e Jeferson; pois nem sabia por onde começar, pra fazer um plano gestor. E em 20h, direto no computador, o seu plano gestor fica pronto.

Plano gestor.

 

 


Alunos e ex alunos em apoio a candidatura de Letícia.

 

 

                A atual diretora e candidata rival, começou a fazer propaganda política proibida. Letícia se sentiu lesada, porque a outra, iria sair na frente. Não podendo fazer o mesmo, porque era errado, então ela denunciou a campanha política da rival, na secretaria estadual de educação. Além de fazer propaganda política proibida, a concorrente prometeu aos alunos, colocar ar condicionado em todas as salas e prometeu aos funcionários uma viagem. Conclusão: Letícia perdeu as eleições.

     

          

  

 

 

                Com dois meses nessa escola, já pensava em sair, por conta da péssima administração da diretora. Se submeteu por três anos, mas agora, com ela na direção de novo, por mais três anos, não dá. Então Letícia sai da escola e com a benção de Deus, volta para o projeto de Teatro da Ciranda da Arte na escola estadual Murilo Braga.
                Sempre passa os Natais e viradas de ano escrevendo, ou dormindo. Mas dessa vez, resolveu aceitar um dos vários convites recebidos.

 

 

 

                2019 - Letícia é reflexiva, profunda e responsável, inspira confiança, mas não costuma acreditar em tudo desde o começo, sem antes analisar toda a informação. Gosta da rigidez, da ordem é uma pessoa muito difícil de enganar. Tem os pés no chão e pensa no aqui e no agora. É uma pessoa que consegue juntar uma equipe e motivá-la a vencer. Escuta as próprias emoções, tem um estilo de vida ativo e sabe claramente o que quer. Não tem medo do risco e em relação a tomada de decisões, olha primeiro para o todo. É amável, simpática, de coração aberto e gosta de ajudar os outros. Tenta evitar conflitos e tem um caráter calmo. Além disso, respeita os pensamentos e as emoções dos outros.
                Depois de dezessete anos da morte de sua mãe, resolve doar suas roupas. Até então, não conseguia fazer isso.
                Mais de dezoito anos, trabalhando durante a semana e nos fins de semana também (inclusive no domingo); deixa o trabalho nos finais de semana e passa a trabalhar agora, somente durante a semana, com a benção de Deus.

 


 

 

 

P E R F I L

Bebida:  não bebia.   Mudar em você:  nada. Ato sexual: é uma dedicação.  
Passatempo: não fazer nada. Mania:  tentar ser sempre certinha. Cor: lilás, violeta, vinho, roxo.
Filme: Cyrano de Bergerac e Em Algum Lugar do Passado. Roupa: vestido longo e solto, com decotes sensuais. Cabelo: no momento estão compridos, repicados e castanhos escuros.
Dupla Sertaneja: Crhystian e Ralf Animal que admira: peixe. Altura:  1,70.
Paixão: pela vida.   Homens: tentações ambulantes. Dedicação: ao meu pai.
  Ignora: pessoas preconceituosas. Suco: de caju e laranja. Signo:  leão.
Comida: peixe ao molho. Ator: Sylvester Stallone Estilo Musical: instrumental.
Religião: evangélica.  Saudade: minha mãe. Doce: de leite talhado.
É sexy num homem: nada, pois o que importa é o que tem dentro da cabeça. Livro: O Alienista (Machado de Assis) e Meno Male! (Juca de Oliveira)  Parte do corpo que mais gosta: tudo.
  Lazer: escrever, ler, rede, conversar. Música: Como é Grande o Meu Amor por Você

Nick: eusougorda

Flor: Tulipa vermelha

Cantora: Cyndi Lauper

Seriados: Monk, CSI

Medo: de tudo

Colônia: Acqua Fresca

 

 

                                                                                                           
                                                         



  



 

     

 

 

    
             Peixe Leão
 

 

                leticialuccheze@yahoo.com.br      


 

                

 

 

 

 

 

 

         

 

         

 

           

 

 

contador